Contribuição de grupos de pesquisa brasileiros na avaliação de fármacos para o tratamento da dependência de álcool

Uilton de Abreu Almeida, Ricardo Peres do Souto

Resumo


Estatísticas recentes mostram que milhões de brasileiros apresentam dependência de álcool. Uma das principais estratégias para o tratamento desses dependentes é a terapia farmacológica, que ainda apresenta baixas taxas de sucesso. Nesse contexto, é de suma importância que grupos de pesquisa nacionais conduzam estudos de avaliação de fármacos para o tratamento de dependentes de álcool. Este estudo é uma revisão bibliográfica narrativa crítica realizada na base de dados MEDLINE que teve por objetivo identificar os grupos de pesquisa brasileiros interessados no tratamento farmacológico do alcoolismo. Foi realizada busca de todos os artigos publicados a partir de 1996 com a seguinte combinação de termos: alcoholism, drug therapy, humans e Brazil. Nove artigos foram localizados, sendo sete ensaios clínicos, uma revisão e um relato de caso. Esses estudos foram conduzidos em quatro instituições diferentes, sendo que uma foi responsável por mais da metade dos artigos. Considerando as publicações no MEDLINE sobre quimioterapia do alcoolismo em humanos, esses artigos representariam 0,71% da produção científica mundial no mesmo período. Os estudos envolvem cinco fármacos, sendo três aprovados para tratamento do alcoolismo — dissulfiram, naltrexona e acamprosato; e dois em avaliação — topiramato e gabapentina. Conclui-se que os pesquisadores brasileiros estão contribuindo efetivamente para a análise do arsenal terapêutico do tratamento do alcoolismo, assim como sua expansão com novos fármacos. Entretanto, o número de grupos de pesquisa nacionais interessados por esta questão ainda é muito pequeno para a extensão do problema no País.

Palavras-chave


alcoolismo/quimioterapia; ensaio clínico; Brasil

Texto completo:

PDF

Referências


Baltieri DA. Tratamento farmacológico do alcoolismo. São Paulo: Lemos Editorial; 2005. p.17-61.

Carlini EA, Galduróz JCF, Noto AR, Nappo SA. Levantamento domiciliar de drogas psicotrópicas no Brasil: estudo envolvendo as 107 maiores cidades do país – 2001. São Paulo: CEBRID/ UNIFESP: 2001.

Laranjeira R, Nicastri S, Jeronimo C, Marques AC. Consenso sobre a Síndrome de Abstinência do Álcool (SAA) e o seu tratamento. Rev Bras Psiquiatr. 2000;22(2):62-71. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-44462000000200006

Monras M, Freixa N, Ortega L, Lligo-a A, Mondón S, Gual A. Efficacy of group therapy of alcoholics. Results of a controlled clinical trial. Med Clin (Barc). 2000;115(4):126-31. http://dx.doi.org/10.1016/S0025-7753(00)71485-0

Elbreder MF, Silva RS, Pillon SC, Laranjeira R. Alcohol dependence: analysis of factors associated with retention of patients in outpatient treatment. Alcohol Alcohol. 2011;46(1):74-6. http://dx.doi.org/10.1093/alcalc/agq078

Elbreder MF, de Humerez DC, Laranjeira R. The use of disulfiram for alcohol-dependent patients and duration of outpatient treatment. Eur Arch Psychiatry Clin Neurosci. 2010;260(3):191-5. http://dx.doi.org/10.1007/s00406-009-0038-9

Baltieri DA, Daró FR, Ribeiro PL, Andrade AG. The role of alcoholic beverage preference in severity of alcohol dependence and adherence to the treatment. Alcohol. 2009;43(3):185-95. http://dx.doi.org/10.1016/j.alcohol.2009.01.001

Baltieri DA, Daró FR, Ribeiro PL, Andrade AG. Comparing topiramate with naltrexone in the treatment of alcohol dependence. Addiction. 2008;103(12):2035-44. http://dx.doi.org/10.1111/j.1360-0443.2008.02355.x

Furieri FA, Nakamura-Palacios EM. Gabapentin reduces alcohol consumption and craving: a randomized, double-blind, placebocontrolled trial. J Clin Psychiatry. 2007;68(11):1691-700. http://dx.doi.org/10.4088/JCP.v68n1108

Baltieri DA, Andrade AG. Efficacy of acamprosate in the treatment of alcohol-dependent outpatients. Rev Bras Psiquiatr. 2003;25(3):156-9. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-44462003000300007

Baltieri DA, Andrade AG. Acamprosate in alcohol dependence: a randomized controlled efficacy study in a standard clinical setting. J Stud Alcohol. 2004;65(1):136-9.

Cruz M, Marinho V, Fontenelle LF, Engelhardt E, Laks J. Topiramate may modulate alcohol abuse but not other compulsive behaviors in frontotemporal dementia: case report. Cogn Behav Neurol. 2008;21(2):104-6. http://dx.doi.org/10.1097/WNN.0b013e31816bdf73

Castro LA, Baltieri DA. The pharmacologic treatment of the alcohol dependence. Rev Bras Psiquiatr. 2004;26(Suppl 1):S43-6. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-44462004000500011

Jupp B, Lawrence AJ. New horizons for therapeutics in drug and alcohol abuse. Pharmacol Ther. 2010;125(1):138-68. http://dx.doi.org/10.1016/j.pharmthera.2009.11.002

Rueff B. Evaluation of drug treatment of primary alcoholism. Rev Prat. 1999;49(4):400-2.

Johnson BA, Ait-Daoud N. Topiramate in the new generation of drugs: efficacy in the treatment of alcoholic patients. Curr Pharm Des. 2010;16(19):2103-12. http://dx.doi.org/10.2174/138161210791516404

Edwards S, Kenna GA, Swift RM, Leggio L. Current and promising pharmacotherapies, and novel research target areas in the treatment of alcohol dependence: a review. Curr Pharm Des. 2011; 17(14):1323-32. http://dx.doi.org/10.2174/138161211796150765

Clemens KJ, Vendruscolo LF. Anxious to drink: gabapentin normalizes GABAergic transmission in the central amygdala and reduces symptoms of ethanol dependence. J Neurosci. 2008;10; 28(37):9087-9.




DOI: https://doi.org/10.7322/abcs.v37i3.31

Apontamentos

  • Não há apontamentos.