Intervenção fisioterapêutica na incontinência fecal no idoso

Lucas Lima Ferreira, Laís Helena Carvalho Marino, Simone Cavenaghi

Resumo


O objetivo deste estudo foi agrupar e atualizar conhecimentos referentes à intervenção fisioterapêutica na incontinência fecal no idoso. A pesquisa da literatura foi realizada nas bases de dados eletrônicas: MEDLINE, LILACS, Cochrane, PubMed e SciELO, no período de janeiro de 2006 a julho de 2011. As palavras-chave usadas em várias combinações foram: fecal incontinence, aged, physical therapy, physiotherapy, exercises, rehabilitation e electrotherapy. A intervenção fisioterapêutica incluiu a avaliação da incontinência fecal constituída pelos sinais e sintomas, exame físico e exames complementares, que incluíram a manometria anorretal, a retossigmoidoscopia, a defecografia, a eletromiografia anorretal, a ultrassonografia endoanal e a latência motora terminal do nervo pudendo; os exercícios para fortalecimento da musculatura do assoalho pélvico, o biofeedback, o treinamento com balão retal e a eletroestimulação constituem a base do tratamento. Essa atualização demonstrou a escassez de estudos abordando tal temática, encontrando apenas cinco estudos publicados nos últimos anos com pacientes idosos incontinentes, os quais enfatizaram em sua maioria os procedimentos já consagrados na literatura refutando as evidências já conhecidas. Porém, uma modalidade consideravelmente nova de tratamento, a neuroestimulação sacral, tem sido investigada com resultados aparentemente positivos, suscitando a necessidade de novos estudos com desenhos metodológicos específicos sobre este problema.

Palavras-chave


incontinência fecal; idoso; fisioterapia

Texto completo:

PDF

Referências


Cooper Z, Rose S. Fecal incontinence: a clinical approach. Mt Sinai J Med. 2000;67(2):96-105.

Rockwood T. Incontinence severity and QOL scales for fecal incontinence. Gastroenterology. 2004;126(Suppl.1):S106-13. http://dx.doi.org/10.1053/j.gastro.2003.10.057

Kalantar JS, Howell S, Talley NJ. Prevalence of faecal incontinence and associated risk factors: an underdiagnosed problem in the Australian community? Med J Aust. 2002;176(2):54-7.

Barbosa JMM, Dias RC, Pereira LSM. Qualidade de vida e estratégias de enfrentamento em idosos com incontinência fecal: uma revisão da literatura. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2007;10(3):383-99.

Oliveira SCM, Pinto-Neto AM, Conde DM, Góes JRN, Santos-Sá D, Costa-Paiva L. Incontinência fecal em mulheres na pós-menopausa: prevalência, intensidade e fatores associados. Arq Gastroenterol. 2006;43(2):102-6. http://dx.doi.org/10.1590/S0004-28032006000200008

Quintão MG, Oliveira SAS, Guedes HM. Incontinência fecal: perfil dos idosos residentes na cidade de Rio Piracicaba, MG. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2010;13(2):191-201.

Oliveira L. Incontinência fecal. J Bras Gastroenterol. 2006;6(1):35-7.

Johansen JF, Lafferty J. Epidemiology of fecal incontinence: the silent affliction. Am J Gastroenterol. 1996;91(1):33-6.

Oliveira L, Neves-Jorge JM, Yusuf S, Habr-Gama A, Kiss D, Cecconelo I. Novos tratamentos para a incontinência anal: injeção de silicone melhora a qualidade de vida em 35 pacientes incontinentes. Rev Bras Coloproct. 2007;27(2):167-73. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-98802007000200006

Kok ALM, Voorhost FJ, Burger CW, Van Houten P, Kenemans P, Janssens J. Urinary and fecal incontinence in community-residing elderly women. Age ageing. 1992;21(3):211-5. http://dx.doi.org/10.1093/ageing/21.3.211

Wald A. Constipation and fecal incontinence in the elderly. Gastroenterol Clin North Am. 1990;19(2):405-18.

Mancuso JP. Fisioterapia minimiza sintomas de incontinência fecal. [internet] Disponível em: . Acesso em: 11 set. 2011.

Arend MCP, Fernandes WVB, Arend G. Uso do biofeedback na incontinência fecal e dissinergia do assoalho pélvico: relato de caso. Rev Saude Pesq. 2009;2(3):433-6.

Netinho JG, Dourado HM, Starling F, Ramalho EN. Tratamento da incontinência anal com biofeedback. Resultados preliminares. Rev Bras Coloproctol. 1999;19(2):88-93.

Barbosa JMM. Avaliação da qualidade de vida e das estratégias de enfrentamento em idosos com incontinência fecal [dissertação]. Belo Horizonte: Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional, Universidade Federal de Minas Gerais; 2006.

Perry S, Shaw C, McGrother C, Matthews RJ, Assassa RP, Dallosso H, et al. Prevalence of faecal incontinence in adults aged 40 years or more living in the community. Gut. 2002;50(4):480-4. http://dx.doi.org/10.1136/gut.50.4.480

Yusuf SAI, Jorge JMN, Habr-Gama A, Kiss DR, Rodrigues JG. Avaliação da qualidade de vida na incontinência anal: validação do questionário FIQL (Fecal Incontinence Quality of Life). Arq Gastroenterol. 2004;41(3):202-8. http://dx.doi.org/10.1590/S0004-28032004000300013

Rothbarth J, Bemelman W, Meijerink WJHJ, Stiggelbout AM, Zwinderman AH, Buyze-Westerweel ME, et al. What is the impact of fecal incontinence on quality of life? Dis Colon Rectum. 2001;44(1):67-71. http://dx.doi.org/10.1007/BF02234823

Damon H, Dumas P, Mion F. Impact of anal incontinence and chronic constipation on quality of life. Gastroenterol Clin Biol. 2004;28(1):16-20. http://dx.doi.org/10.1016/S0399-8320(04)94835-X

Cheung O, Wald A. Review article: the management of pelvic floor disorders. Aliment Pharmacol Ther. 2004;19(5):481-95. http://dx.doi.org/10.1111/j.1365-2036.2004.01886.x

Sobreira MM. Aplicação da fisioterapia na reabilitação das disfunções do assoalho pélvico. In: Regadas SP, Regadas SMM. Distúrbios funcionais do assoalho pélvico. Atlas de ultra-sonografia anorretal bi e tridimensional. Rio de Janeiro: Revinter; 2007. p. 125-36.

Costa AP, Santos JG. Estudo prospectivo da resposta terapêutica ao biofeedback e cinesioterapia em pacientes portadoras de incontinência anal: relato de dois casos [monografia]. Belém: Universidade da Amazônia; 2008.

Terra MP, Deutekom M, Dobben AC, Baeten CGMI, Janssen LVVM, Boeckxstaens GEE, et al. Can the outcome of pelvic-floor rehabilitation in patients with fecal incontinence be predicted? Int J Colorectal Dis. 2008;23(5):503-11. http://dx.doi.org/10.1007/s00384-008-0438-8

Navarro JM, Arroyo Sebastián A, Pérez VF, Sánchez Romero AM, Pérez Legaz J, Serrano Paz P, et al. Sacral root neuromodulation as treatment for fecal incontinence. Preliminary results. Rev Esp Enferm Dig. 2007;99(11):636-42. http://dx.doi.org/10.4321/S1130-01082007001100003

Kenefick NJ. Sacral nerve neuromodulation for the treatment of lower bowel motility disorders. Ann R Coll Surg Engl. 2006;88(7):617-23. http://dx.doi.org/10.1308/003588406X149174

Bols EMJ, Berghmans BCM, Hendriks EJM, Bie RA, Melenhorst J, Gemert WC, et al. A randomized physiotherapy trial in patients with fecal incontinence: design of the PhysioFIT-study. BMC Public Health. 2007;7:355. http://dx.doi.org/10.1186/1471-2458-7-355




DOI: https://doi.org/10.7322/abcs.v37i3.32

Apontamentos

  • Não há apontamentos.