O papel da vigilância entomológica no primeiro foco ativo urbano de Leishmaniose Visceral do município do Rio de Janeiro

Cláudio Manuel Rodrigues

Resumo


Introdução: A leishmaniose Visceral (LV) é uma antropozoonose causada pela Leishmania infantum que avança nos últimos trinta anos à passos largos em sentido ao ambiente urbano. Desde 1977 há registros da doença em áreas periféricas do município do Rio de Janeiro, entretanto em 2011 foi descrita no bairro do Caju por meio do diagnóstico do parasita em cães infectados e da captura de espécimes de seu principal vetor.  Objetivo: Este artigo tem por objetivo divulgar o trabalho primário de captura e identificação entomológica destes espécimes que proporcionou ações de vigilância no primeiro foco ativo urbano de LV na cidade do Rio de Janeiro, citado recentemente em diversos estudos, mas ainda não publicizado em todos os seus detalhes. Métodos: As armadilhas luminosas CDC adaptadas foram instaladas de forma setorizada em área circular de 1000 m de raio a partir do suposto ponto focal, das 17h00m às 07h00m da manhã seguinte, entre junho e setembro de 2011. Resultados: Foram capturados 253 espécimes de Lutzomyia longipalpis, dos quais 63,1% na área do canil, considerado o foco primário de dispersão dos vetores. Conclusão: Os resultados descritos corroboram com artigos que indicam a urbanização do principal vetor da LV, salientando a importância de estudos mais detalhados sobre o seu ciclo biológico urbano e a necessidade da mudança dos paradigmas da vigilância das leishmanioses no Brasil.


Palavras-chave


Leishmaniose visceral; Psychodidae; entomologia; vigilância sanitária ambiental; urbanização

Texto completo:

PDF

Referências


Lainson R, Rangel EF. Lutzomyia longipalpis and the eco-epidemiology of American visceral leishmaniasis, with particular reference to Brazil: a review. Mem Inst Oswaldo Cruz. 2005;100(8):811-27. http://dx.doi.org/10.1590/S0074-02762005000800001

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Guia de vigilância em saúde: volume único. Brasília: Ministério da Saúde; 2014.

Deane L. Leishmaniose visceral no Brasil: estudos sobre reservatórios e transmissores realizados no Estado do Ceará. Rio de Janeiro: Serviço Nacional de Educação Sanitária; 1956.

Monteiro EM, Silva JC, Costa RT, Costa DC, Barata RA, Paula EV, et al. Visceral leishmaniasis: a study on phlebotomine sand flies and canine infection in Montes Claros, State of Minas Gerais. Rev Soc Bras Med Trop 2005;38(2):147-52. http://dx.doi.org/10.1590/S0037-86822005000200004

Werneck GL. Fórum: Expansão geográfica e urbanização da leishmaniose visceral no Brasil. Introdução. Cad Saúde Pública. 2008;24(12):2937-40. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2008001200023

Brazil RP. The dispersion of Lutzomyia longipalpis in urban areas. Rev Soc Bras Med Trop. 2013;46(3):263-4. http://dx.doi.org/10.1590/0037-8682-0101-2013

Silva DA, Madeira MF, Figueiredo FB. Geographical expansion of canine visceral leishmaniasis in Rio de Janeiro State, Brazil. Rev Inst Med Trop São Paulo. 2015; 57(5):435-8. http://dx.doi.org/10.1590/S0036-46652015000500012

Marzochi MCA, Fagundes A, Andrade MV, Souza MB, Madeira MF, Mouta-Confort E, et al. Visceral leishmaniasis in Rio de Janeiro, Brazil: eco-epidemiological aspects and control. Rev Soc Bras Med Trop. 2009;42(5):570-80. http://dx.doi.org/10.1590/S0037-86822009000500017

Bevilacqua PD, Paixão HH, Modena CM, Castro MCPS. Urbanização da leishmaniose visceral em Belo Horizonte. Arq Bras Med Vet Zootec. 2001;53(1):1-8. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-09352001000100001

Madeira MF, Schubach AO, Schubach TM, Pereira SA, Figueiredo FB, Baptista C, et al. Post mortem parasitological evaluation of dogs seroreactive for Leishmania from Rio de Janeiro, Brazil. Vet Parasitol. 2006;138(3-4):366-70. http://dx.doi.org/10.1016/j.vetpar.2006.01.059

Figueiredo FB, Barbosa Filho CJ, Schubach EY, Pereira SA, Nascimento LD, Madeira MF. Relato de caso autóctone de leishmaniose visceral canina na zona sul do município do Rio de Janeiro. Rev Soc Bras Med Trop. 2010;43(1):98-9. http://dx.doi.org/10.1590/S0037-86822010000100022

Prefeitura do Rio de Janeiro. Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil. Subsecretaria de Vigilância, Fiscalização Sanitária e Controle de Zoonoses. Superintendência de Vigilância e Fiscalização Sanitária em Zoonoses. Nota técnica n.º 01 /2011/s/SUBVISA /SVFSZ: Orientações sobre vigilância, prevenção e controle da Leishmaniose Visceral (LV) em caninos, no município do Rio de Janeiro (MRJ), em virtude da confirmação de transmissão canina da doença, no bairro do Caju – Área Programática. Disponível em: http://www.crmvrj.org.br/nota%20tecnica%20 Leishmaniose_SUBVISA.pdf. Acesso em: 17 jul. 2017.

Prefeitura do Rio de Janeiro. Secretaria Municipal de Saúde. Superintendência de Vigilância em Saúde. A Vigilância em Saúde na Cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: SMS; 2014. Disponível em: http://www.rio.rj.gov.br/dlstatic/10112/5003182/4128740/AVigilanciaemSaudenaCidadedoRiodeJaneiroed.2014.pdf. Acesso em: 19 jul. 2017.

Prefeitura do Rio de Janeiro. Instituto Pereira Passos (IPP). Bairros cariocas. Disponível em: http://portalgeo.rio.rj.gov.br/bairroscariocas/ index_bairro.htm. Acesso em: 17 jul. 2017.

Silva GAR, Boechat TO, Ferry FRA, Pinto JFC, Azevedo MCVM, Carvalho RS, et al. First case of autochthonous human visceral leishmaniasis in the urban center of Rio de Janeiro: case report. Rev Inst Med Trop Sao Paulo 2014; 56(1):81-4. http://dx.doi.org/10.1590/S0036-46652014000100013

Marzochi MCA. Visceral leishmaniasis in Southern Rio de Janeiro State and the risk of propagation to São Paulo State, Brazil. Rev Soc Bras Med Trop 2016;49(2):147-9. http://dx.doi.org/10.1590/0037-8682-0442-2015

Falcão AR. Um novo modelo de armadilha luminosa de sucção para pequenos insetos. Mem Inst Oswaldo Cruz. 1981;76(3):303-5.http://dx.doi.org/10.1590/S0074-02761981000300009

Pinheiro MVB, Brazil RM, Maspero RC, Araujo SQ, Rodrigues CM. Distribuição espacial da Lutzomyia longipalpis em área urbana do município do Rio de Janeiro. Acta Scientiae Veter. 2012;40(Supl 2):s66.

Aparício C, Bittencourt MD. Análise espacial da leishmaniose tegumentar americana. Anais do XI Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto. 2003; 05-10 abr; Belo Horizonte, Brasil. INPE; 2003; p.1247-54.

Galati EAB. Classificação de Phlebotominae. In: Rangel EF, Lainson R. Flebotomíneos do Brasil. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2003; p. 23-51.

Day MJ. One health: the importance of companion animal vector-borne diseases. Parasit Vectors. 2011;4:49.https://dx.doi.org/10.1186/1756-3305-4-49




DOI: https://doi.org/10.7322/abcshs.v43i1.1001

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Claudio Manuel Rodrigues

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.