Food consumption of elderly residents in the rural area of Caxias do Sul municipal, RS

Main Article Content

Gabriela Schmitt Marchesi
Simara Rufatto Conde

Abstract

Introduction: Brazil presents a high index of population aging, a characteristic that involves great challenges, one of them being the feeding process. Older people residing in the rural area have a greater supply of in natura food, a fact that occurs through the cultivation of the same in their residences. Objective: To evaluate the food profile of the elderly population residing in the rural area of the Municipality of Caxias do Sul. Methods: A cross-sectional study was carried out by 16 elderly people of both sexes who participated in the Conviver project. The mental state of the participants was evaluated through the Mini Mental State Examination and food intake through a 24-hour food recall with a three-day report. Data were analyzed statistically through the Student’s t-Test and the Mann-Whitney Test using SPSS software version 22. Results: The consumption of processed and ultraprocessed by the elderly represented 30.28% of the total energy value. The elderly presented consumption above the established by DRI for carbohydrates and below for lipids, calcium, fiber, vitamins A, B6 and B12. The intake of protein, sodium, iron and vitamin C were within the recommendations. Conclusion: The elderly participants of the study presented a diet rich in carbohydrates, but with deficiencies of micronutrients.

Downloads

Download data is not yet available.

Article Details

How to Cite
Marchesi, G. S., & Conde, S. R. (2018). Food consumption of elderly residents in the rural area of Caxias do Sul municipal, RS. ABCS Health Sciences, 43(3). https://doi.org/10.7322/abcshs.v43i3.1089
Section
Original Articles
Author Biography

Gabriela Schmitt Marchesi, Curso de Bacharelado em Nutrição, Faculdade e Escola de Educação Profissional Nossa Senhora de Fátima (FEEPNSF) – Caxias do Sul (RS)

Nutrição Envelhecimento

References

1. Neumann L, Schauren BC, Adami FS. Sensibilidade gustativa de adultos idosos. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2016;19(5):797-808. http://dx.doi.org/10.1590/1809-98232016019.150218

2. Heitor SFD, Rodrigues LR, Tavares DMS. Fatores associados às complicações metabólicas e alimentação em idosos da zona rural. Ciênc Saúde Coletiva. 2016;21(11):3357-66. http://dx.doi.org/10.1590/1413-812320152111.11592015

3. Santos TF, Delani TCO. Impacto da deficiência nutricional na saúde de idosos. Rev Uningá Rev. 2015;21(1):50-4.

4. Brasil. Ministério da Saúde. Alimentação saudável para a pessoa idosa. Um manual para profissionais de saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2009.

5. Venturini CD, Engroff P, Sgnaolin V, Kik RME, Morrone FB, Silva Filho IG, et al. Ingestão inadequada de nutrientes na população de idosos no Brasil: Inquérito Nacional de Alimentação 2008-2009. Rev Saúde Pública. 2013;47(1 Supl):2225-305. http://dx.doi.org/10.1590/1413-812320152012.01432015

6. Fisberg RM, Marchioni DML, Castro MA, Junior EV, Araújo MC, Bezerra IN, et al. Avaliação nutricional de idosos: desafios da atualidade. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2015;18(3):643-50.

7. Souza AM, Pereira RA, Yokoo EM, Levy RB, Sichieri R. Alimentos mais consumidos no Brasil: Inquérito Nacional de Alimentação 2008-2009. Rev Saúde Pública. 2013;47(1 Supl):1905-95. http://www.scielo.br/pdf/rsp/v47s1/05.pdf

8. Brasil. Ministério da Saúde. Guia alimentar para a população brasileira. 2ª ed. Brasília: ministério da Saúde; 2014.

9. Assumpção D, Domene SMA, Fisberg RM, Barros MBA. Qualidade da dieta e fatores associados entre idosos: estudo de base populacional em Campinas, São Paulo, Brasil. Cad Saúde Pública. 2014;30(8):1680-94. http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00009113

10. Louzada MLC, Martins APB, Canella DS, Baraldi LG, Levy RB, Claro RM, et al. Impacto de alimentos ultraprocessados sobre o teor de micronutrientes da dieta no Brasil. Rev Saúde Pública. 2015;49:45. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-8910.2015049006211

11. Kuipers RS, Graaf DJ, Luxwolda MF, Muskiet MHA, Dijck-Brouwer DAJ, Muskiet FAJ. Saturated fat, carbohydrates and cardiovascular disease. J Med. 2011;69(9)372-8.

12. Schmaltz RMLC. Avaliação do consumo alimentar de idosos institucionalizados da cidade de Paracatu, MG. Rev Augustus. 2011;16(32):21-7.

13. Vaz TL, Tagliapietra BL, Schuch NJ, Blasi TC, Margutti KMM. Consumo de proteínas e sua relação com a sarcopenia em idosos. Disciplinarum Sci. 2016;17(1):41-51.

14. Kucera MR, Sivieiro J, Bonatto S. Consumo de lipídeos e estado nutricional de idosos participantes do projeto NUTENV da Universidade de Caxias do Sul. Rev Bras Ciênc Envelhecimento Hum. 2012;9(3):426-38. http://dx.doi.org/10.5335/rbceh.2012.2811

15. Previdelli AN, Goulart RMM, Aquino RC. Balanço de macronutrientes na dieta de idosos brasileiros: análises da Pesquisa Nacional de Alimentação 2008-2009. Rev Bras Epidemiol. 2017;20(1):70-80. http://dx.doi.org/10.1590/1980-5497201700010006

16. Brasil. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância à Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Diretrizes e recomendações para o cuidado integral de doenças crônicas não-transmissíveis: promoção da saúde, vigilância, prevenção e assistência. Vol.8. Brasília: Ministério da Saúde; 2008.

17. Brandão JM, Fernandes CS, Barroso SG, Rocha GS. Associação do consumo de fibras e risco cardiovascular em pacientes idosos. Int J Cardiovasc Sci. 2015;28(6):464-71. http://dx.doi.org/10.5935/2359-4802.20150066

18. Klaus JH, Nardin V, Paludo J, Scherer F, Dal Bosco. Prevalência e fatores associados à constipação intestinal em idosos residentes em instituições de longa permanência. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2015;18(4):835-43. http://dx.doi.org/10.1590/1809-9823.2015.13175

19. Heitor SFD, Rodrigues LR, Dias FA, Martins NPF, Tavares DMS. Fatores associados à constipação intestinal em idosos residentes na zona rural. Rev Eletr Enf. 2013;15(4):948-55. http://dx.doi.org/10.5216/ree.v15i4.20546

20. Silva KC, Nobre LN, Vicente SECF, Moreira LL, Lessa AC, Lamounier JA. Influência do índice glicêmico da dieta sobre o risco de sobrepeso e adiposidade na infância. Rev Paul Pediatr. 2016;34(3):293-300. http://dx.doi.org/10.1016/j.rppede.2015.12.009

21. Sarno F, Claro RM, Levy RB, Bandoni DH, Monteiro CA. Estimativa de consumo de sódio pela população brasileira, 2008-2009. Rev Saúde Pública. 2013;47(3):571-8. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-8910.2013047004418

22. Porto AS, Pereira TSS, Molina MCB. Consumo de sódio e potássio por diferentes métodos de avaliação: uma revisão em estudos populacionais. Rev Bras Pesq Saúde. 2014;16(3):131-9. https://doi.org/10.21722/rbps.v16i3.10160

23. Brasil. Ministério da Saúde. Vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico Vigitel. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/vigitel/vigteldescr.htm Acesso em: 05 dez. 2017.

24. Pereira GAP, Genaro PS, Pinheiro MM, Szejnfeld VL, Martini LA. Cálcio dietético: estratégias para otimizar o consumo. Rev Bras Reumatol. 2009;49(2):164-80. http://dx.doi.org/10.1590/S0482-50042009000200008

25. Silva BFC, Kovacs C, Magnoli D, Romualdo M. Hábito alimentar e consumo de vitaminas e minerais em idosos. Rev Bras Nutr Clin. 2013;2(3):209-13.

26. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Pesquisa de orçamentos familiares 2008-2009. Análise do consumo alimentar pessoal no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE; 2011.

27. Sociedade Brasileira de Reumatologia. Osteoporose: cartilha para pacientes. Sociedade Brasileira de Reumatologia. Comissão de Doenças Osteometabólicas e Osteoporose. 2011.

28. Rosa M, Cantarelli L, Colpo E. Consumo de alimentos com propriedades antioxidantes por idosos institucionalizados. Sci Med. 2014;24(2):116-22.

29. Schneider BC, Duro SMS, Assunção MCF. Consumo de carnes por adultos do sul do Brasil: um estudo de base populacional. Ciênc Saúde Coletiva. 2014;19(8):3583-92. http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232014198.11702013

30. Tureck C, Locateli G, Corrêa VG, Koehnlein EA. Avaliação da ingestão de nutrientes antioxidantes pela população brasileira e sua relação com o estado nutricional. Rev Bras Epidemiol. 2017;20(1):30-42. http://dx.doi.org/10.1590/1980-5497201700010003

31. Coussirat C, Batista C, Schneider RH, Resende TH, Schwanke CHA. Vitaminas B12, B6, B9 e homocisteína e sua relação com a massa óssea em idosos. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2012;15(3):577-85. http://dx.doi.org/10.1590/S1809-98232012000300018

32. Favero MT, Griep R, Sulzbacher G. Incidência de idosos com deficiência de vitamina B12 em serviço geriátrico do município de Cascavel-PR - Um estudo transversal. Rev Thêma Scientia. 2015;5:(2E):87-93.

33. Lopes ACS, Caiaffa WT, Sichieri R, Mingoti SA, Lima-Costa MF. Consumo de nutrientes em adultos e idosos em estudo de base populacional: Projeto Bambuí. Cad Saúde Pública. 2005;21(4):1201-9. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2005000400022

34. Mendes HS, Toledo GCG. Avaliação do consumo alimentar de idosos acamados pertencentes a duas estratégias de saúde da família em Batatais SP. Saúde, Batatais. 2016;5(1):57-71.

35. Berkenbrock EP, Navarro AC. Consumo alimentar de idosos praticantes de atividade física do município de Florianópolis-SC: Uma abordagem em micronutrientes. Rev Bras Nutr Esportiva. 2011;5(26):145-52.

36. Secafim MV, Previdelli AN, Marques KM, Ferreira MPN, Freitas TI, Goulart RMM, et al. Avaliação do consumo de frutas por idosos de São Caetano do Sul, São Paulo, Brasil. Geriatr Gerontol Aging. 2016;10(2):49-56. http://dx.doi.org/10.5327/Z2447-211520161021