Significado e considerações sobre a osteoporose por mulheres com e sem diagnóstico da doença

Eli Ávila Souza Júnior, Nicolas Franco Ferreira, Paulo Emmanuel Caires Lopes, Maíra Soares Torres, Daniel Soares Baumfeld, Marco Antônio Percope de Andrade

Resumo


Introdução: Entre pacientes diagnosticados e em tratamento para osteoporose, acredita-se que há desconhecimento geral sobre a doença. Entre os pacientes em faixa etária de risco, não diagnosticados, crê-se que o desconhecimento é maior. Objetivo: Avaliar as considerações de mulheres sobre o conceito da osteoporose e sua prevenção. Métodos: Estudo qualitativo, descritivo, realizado no Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, com 10 pacientes portadores de osteoporose, e 10 pacientes sem. A tabulação dos dados ocorreu por meio da utilização de três figuras metodológicas: ideia central, expressões chave e o discurso sujeito coletivo. O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética e Pesquisa com Seres Humanos. Resultados: Dentre as pacientes com diagnóstico, destacou-se como ideias centrais a vulnerabilidade às fraturas e os conceitos de apresentação da doença como osteopenia e osteoporose. No grupo sem diagnóstico, 40% desconhecia a doença. Na prevenção, observou-se maior conhecimento no grupo portador da doença, sendo as ideias centrais destacadas: os exercícios físicos, alimentação rica em cálcio e vitamina D, além da exposição solar. Conclusão: Evidenciou-se um conhecimento limitado sobre a osteoporose e suas formas de prevenção, sobretudo no grupo sem diagnóstico, porém em faixa etária de risco. Assim, conclui-se que, tratando-se de uma doença de elevada prevalência, de altos custos orçamentários para a saúde pública, e com riscos significativos uma vez não diagnosticados e não tratada, medidas resolutivas de maior esclarecimento sobre a doença devem ser praticadas em todas as esferas da saúde pública.


Palavras-chave


osteoporose; saúde da mulher; prevenção de doenças

Texto completo:

PDF

Referências


Küchemann BA. Envelhecimento populacional, cuidado e cidadania: velhos dilemas e novos desafios. Soc Estado. 2012;27(1):165-80. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-69922012000100010

Duarte EC, Barreto SM. Transição demográfica e epidemiológica: a Epidemiologia e Serviços de Saúde revisita e atualiza o tema. Epidemiol Serv Saúde. 2012;21(4):529-32. http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742012000400001

Zhao R, Mengyi Z, Zhang Q. The effectiveness of combined exercise interventions for preventing postmenopausal bone loss: a systematic review and meta-analysis. J Orthop Sports Phys Ther. 2017;47(4):241-51. http://dx.doi.org/10.2519/jospt.2017.6969

Martini LA, Moura EC, Santos LC, Malta DC, Pinheiro MM. Prevalência de diagnostico auto-referido de osteoporose, Brasil, 2006. Rev Saúde Pública. 2009;43(Suppl 2):107-16. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102009000900014

Radominski SC, Bernardo W, Paula AP, Albergaria BH, Moreira C, Fernandes CE, et al. Diretrizes brasileiras para o diagnóstico e tratamento da osteoporose em mulheres na pós-menopausa. Rev Bras Reumatol. 2017;57(Suppl. 2):S452-66. http://dx.doi.org/10.1016/j.rbr.2017.06.001

Silva MRS, Andrade SRS, Amaral WN. Fisiopatologia da osteoporose: uma revisão bibliográfica. Femina. 2015;43(6):241-4.

Liu W, Yang LH, Kong XC, An LK, Wang R. Meta-analysis of osteoporosis: fracture risks, medication and treatment. Minerva Med. 2015;106(4):203-14.

Sanfélix-Genovés J, Reig-Molla B, Sanfélix-Gimeno G, Peiró S, Graells-Ferrer M, Vega-Matrínez M, et al. The population-based prevalence of osteoporotic vertebral fracture and densitometric osteoporosis in postmenopausal women over 50 in Valencia, Spain (The FRAVO Study). Bone. 2010;47(3):610-6. http://dx.doi.org/10.1016/j.bone.2010.06.015

Minayo MCS. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 29. ed. Petrópolis: Vozes, 2010.

Pinheiro MM, Ciconelli RM, Martini LA, Ferraz MB. Risk factors for recurrent falls among Brazilian women and men: the Brazilian Osteoporosis Study (BRAZOS). Cad Saúde Pública. 2010;26(1):89-96. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2010000100010

Baccaro LF, Machado VSS, Costa-Paiva L, Souza MH, Osis MJ, Pinto Neto AM. Factors associated with osteoporosis in Brazilian women: a population-based household survey. Arch Osteoporos. 2013;8:138. http://dx.doi.org/10.1007/s11657-013-0138-z

Carvalho CM, Fonseca CC, Pedrosa JI. Educação para a saúde em osteoporose com idosos de um programa universitário: repercussões. Cad Saúde Pública. 2004;20(3):719-26. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2004000300008

Imai K. Recent methodos for assessing osteoporosis and fracture risk. Recent Pat Endocr Metab Immune Drug Discov. 2014;8(1):48-59.

Perracini MR, Ramos LR. Fatores associados a quedas em uma coorte de idosos residentes na comunidade. Rev Saúde Pública. 2002;36(6):709-16. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102002000700008

Driusso P, Oishi J, Rennó ACM, Ferreira V. Efeitos de um programa de atividade física na qualidade de vida de mulheres com osteoporose. Fisioter Pesqui. 2000;7(1-2):1-9. http://dx.doi.org/10.1590/fpusp.v7i1-2.78942

Navega MT, Aveiro MC, Oishi J. Alongamento, caminhada e fortalecimento dos músculos da coxa: um programa de atividade física para mulheres com osteoporose. Rev Bras Fisioter. 2003;7(3):261-7.

Abrahin O, Rodrigues RP, Marçal AC, Alves EAC, Figueiredo RC, Sousa EC. Natação e ciclismo não causam efeitos positivos na densidade mineral óssea: uma revisão sistemática. Rev Bras Reumatol. 2016;56(4):345-51. https://dx.doi.org/10.1016/j.rbr.2015.09.010

Satterfield T, Johnson SM, Slovic P, Neil N, Schein JR. Perceived risks and reported behaviors associated with osteoporosis and its treatment. J Women Health. 2001;31(4):21-40. https://dx.doi.org/10.1300/J013v31n04_02

Montilla RNG, Aldrighi JM, Marucci MFN. Relação cálcio/proteína da dieta de mulheres no climatério. Rev Assoc Med Bras. 2004;50(1):52-4. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-42302004000100035

Lanzilotti HS, Lanzilotti RS, Trotte APR, Dias AS, Bornand B, Costa EAMM. Osteoporose em mulheres na pós-menopausa, cálcio dietético e outros fatores de risco. Rev Nutr. 2003;16(2):181-93. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-52732003000200005

Szejnfeld VL, Jennings F, Castro CHM, Pinheiro MM, Lopes AC. Conhecimento dos médicos clínicos do Brasil sobre as estratégias de prevenção e tratamento da osteoporose. Rev Bras Reumatol. 2007;47(4):251-7. http://dx.doi.org/10.1590/S0482-50042007000400003

Sedlak CA, Dohoney MO, Jones SL. Osteoporosis education programs: changing knowledge and behaviors. 2000;17(5):398-402. https://dx.doi.org/10.1046/j.1525-1446.2000.00398.x




DOI: https://doi.org/10.7322/abcshs.v44i1.1116

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Eli Ávila Souza Júnior, Nicolas Franco Ferreira, Paulo Emmanuel Caires Lopes, Maíra Soares Torres, Daniel Soares Baumfeld, Marco Antônio Percope de Andrade

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.