Educação permanente em equipe multidisciplinar de um programa gerontológico: concepções, desafios e possibilidades

Irinéa Gomes Meneses, Edmundo de Drummond Alves Junior, Angela Brêtas Gomes dos Santos, Audrey Vidal Pereira, Ana Maria Domingos, Marcos Paulo Fonseca Corvino

Resumo


Introdução: O aumento progressivo da população idosa e das enfermidades crônicas torna cada vez mais prioritário a educação permanente dos profissionais de saúde visando o atendimento das necessidades dos idosos. Objetivo: Conhecer as concepções da equipe multiprofissional e de gestores sobre Educação Permanente de um Programa de Assistência Integral à Pessoa Idosa. Métodos: Trata-se de um estudo descritivo com abordagem qualitativa. O cenário foi um Programa Gerontológico desenvolvido em um Instituto de Atenção à Saúde de uma Universidade Pública, no município do Rio de Janeiro. Os participantes foram 10 profissionais de saúde incluindo os gestores do referido programa. Foi utilizado como técnica de coleta de dados o grupo focal, cujas reflexões ocorreram a partir de análise de conteúdo na modalidade temática. Resultados: A pesquisa permitiu a construção de duas categorias: 1) Educação Permanente como movimento de atualização profissional e 2) Educação Permanente: aproximando o interesse pessoal, iniciativa institucional e necessidades dos usuários. Pode-se observar que a educação permanente ocorre a partir da identificação de problemas cotidianos e necessidades dos serviços e usuários do sistema de saúde, que se envolve com a responsabilidade de melhorar as condições de saúde da população de idosos atendida. Conclusão: O estudo contribuiu para uma reflexão que se traduza na organização do processo de trabalho e na busca pelo aprimoramento da prática assistencial qualificada e resolutiva, com vistas à operacionalização futura de processos de Educação Permanente.


Palavras-chave


educação em saúde; educação continuada; pessoal de saúde; planos e programas de saúde; envelhecimento

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão da Educação em Saúde. Política nacional de educação permanente em saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2009.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão da Educação em Saúde. A educação permanente entra na roda. Pólos de educação permanente em saúde. Conceitos e caminhos a percorrer. Brasília: Ministério da Saúde, 2005.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS nº 198, de 13 de fevereiro de 2004. Institui a Política Nacional de Educação Permanente em Saúde como estratégia do Sistema Único de Saúde para a formação e o desenvolvimento de trabalhadores para o setor e dá outras providências. Disponível em: https://www.nescon.medicina.ufmg.br/biblioteca/imagem /1832.pdf. Acesso em: 8 jun. 2018.

Ceccim RB. Educação permanente em saúde: desafio ambicioso e necessário. Interface: Comunic Saúde Educ. 2005;9(16):161-77.

Massaroli A, Saupe R. Distinção Conceitual: educação permanente e educação continuada no processo de trabalho em Saúde. Disponível em: http://www1.saude.rs.gov.br/dados/1311947098405educa%E7% E3o%20continuada%20e%20permanente.pdf. Acesso em: 30 abr. 2018.

Peduzzi M, Guerra DAD, Braga CP, Lucena FS, Silva JAM. Atividades educativas de trabalhadores na atenção primária: concepções de educação permanente e de educação continuada em saúde presentes no cotidiano de Unidades Básicas de Saúde em São Paulo. Interface. 2009;13(30):121-34. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832009000300011

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Pesquisa nacional por amostra de domicílios: síntese de indicadores 2015. Rio de Janeiro: IBGE, 2016; p.105.

Backes DS, Colomé JS, Erdmann RH, Lunardi VL. Grupo focal como técnica de coleta e análise de dados em pesquisas qualitativas. Mundo Saúde. 2001;35(4):438-42.

Pizzol SJS. Combinação de grupos focais e análise discriminante: um método para tipificação de sistemas de produção agropecuária. Rev Econ Sociol Rural. 2004;42(3):451-68. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-20032004000300003

Centro de Estudos Espíritas Allan Kardec (CEEAK). Dinâmicas de integração e aquecimento. Sonhar acordado (relaxamento). Disponível em: https://www.dij.ceeak.ch/dinmicas/dinmicas_de_integraco_e_ aquecimento/sonhar_acordado_relaxamento/index.html. Acesso em: 30 abr. 2018.

Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011; p.229.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS nº 1.996, de 20 de agosto de 2007. Dispõe sobre as diretrizes para a implementação da Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2007/prt1996_20_08_2007.html. Acesso em 30 abr. 2018.

Motta JIJ, Buss P, Nunes TCM. Educação Permanente em Saúde. Rev Olho Mágico. 2002;9(1):67-78.

Silva KM, Santos SMA. A práxis do enfermeiro da estratégia de saúde da família e o cuidado ao idoso. Texto Contexto Enferm. 2015;24(1):105-11. http://dx.doi.org/10.1590/0104-07072015000680013

Queiroz DL, Souza JC. Qualidade de vida e capacidade para o trabalho de profissionais de enfermagem. Psicol Inf. 2012;16(16):103-26.

Ceccim RB, Ferla AA. Educação Permanente em Saúde. In: Fundação Oswaldo Cruz. Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio. Dicionário da Educação Profissional em Saúde. Rio de Janeiro: FIOCRUZ; 2006; p.107-12.

Forsetlund L, Bjørndal A, Rashidian A, Jamtvedt G, O'Brien MA, Wolf F, et al. Continuing education meetings and workshops: effects on professional practice and health care outcomes. Cochrane Database Syst Rev. 2015;15(2):CD003030. http://dx.doi.org/10.1002/14651858.CD003030.pub2

Fernandez A, Schillinger D, Grumbach K, Rosenthal A, Stewart AL, Wang F, et al. Physician language ability and cultural competence. An exploratory study of communication with spanish-speaking patients. J Gen Intern Med. 2004;19(2):167-74. https://dx.doi.org/10.1111/j.1525-1497.2004.30266.x

Vincent SP. Educação permanente: componente estratégico para a implementação da política nacional de atenção oncológica. Rev Bras Cancerol. 2007;53(1):79-85.

Bardach SH, Rowles GD. Geriatric education in the health professions: are we making progress? Gerontologist. 2012;52(5):607-18. https://dx.doi.org/10.1093/geront/gns006

Kraemer FB, Aguiar OB. Gestão de competências e qualificação profissional no segmento da alimentação coletiva. Rev Nutr. 2009;22(5):609-19. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-52732009000500002

Oliveira MS, Moreira MLS. Motivação e clima organizacional no ambiente de trabalho. Monografia (Pós-Graduação em Gestão de Recursos Humanos) - Faculdade Cândido Mendes. Rio de Janeiro: 2010.

Daviani MC. Enfoques, problemas e perspectivas na educação permanente dos recursos humanos de saúde. In: Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão da Educação em Saúde. Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. Brasília: 2009; p.39-63.

Rocha ESB, Nagliate P, Furlan CEB, Rocha Jr K, Trevisan MA, Mendes IAC. Gestão do conhecimento na saúde: revisão sistemática de literatura. Rev Latino-Am Enfermagem. 2012;20(2):392-400. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692012000200024

Casate JC, Corrêa AK. Humanização do atendimento em saúde: conhecimento veiculado na literatura brasileira de enfermagem. Rev Latino-Am Enfermagem. 2005; 13(1):105-11. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692005000100017

Brasil. Presidência da República. Lei nº 11.784, de 22 de setembro de 2008. Dispõe sobre a reestruturação do plano geral de cargos do poder executivo. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/cciVil_03/_ Ato2007-2010/2008/Lei/L11784.htm. Acesso em: 30 abr. 2018.




DOI: https://doi.org/10.7322/abcshs.v44i1.1257

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Irinéa Gomes Meneses, Edmundo de Drummond Alves Junior, Angela Brêtas Gomes dos Santos, Audrey Vidal Pereira, Ana Maria Domingos, Marcos Paulo Fonseca Corvino

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.