Nursing consultation to deaf people: a contextual analysis

Main Article Content

Camila Crisse Justino de Araújo
Alexsandro Silva Coura
Inacia Sátiro Xavier de França
Andressa Kaline Ferreira Araújo
Kaio Keomma Aires Silva Medeiros

Abstract

This study aimed at critically analyzing the contextual factors that influence Nursing consultation to deaf people. It is a critical review of literature, developed from July to August 2013, on SciELO, LILACS and IBECS databases as well as on Google Scholar and electronic portals of the Ministry of Health, of the World Health Organization and of Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Then, we proceeded to the analysis of the material collected using the Contextual Analysis method. Given the corpus of selected publications, investigated subjects were grouped into interactive layers of context, comprising: peculiarities of Nursing consultation to deaf people; obstacles faced in Nursing consultation to deaf people; sociocultural and psychological understanding of the nurse/deaf patient/intermediator; and law applied – bases for ethics practice in Nursing consultations to deaf people. It was concluded that Nursing consultation to deaf patients does not occur satisfactorily due mainly to the inadequacy of nurses, without the correct preparation in the academic area, overlooking the care to this important segment of the population.

Downloads

Download data is not yet available.

Article Details

How to Cite
Araújo, C. C. J. de, Coura, A. S., França, I. S. X. de, Araújo, A. K. F., & Medeiros, K. K. A. S. (2015). Nursing consultation to deaf people: a contextual analysis. ABCS Health Sciences, 40(1). https://doi.org/10.7322/abcshs.v40i1.702
Section
Review Articles

References

1. Souza MT, Porrozzi R. Ensino de libras para os profissionais de saúde: uma necessidade premente. Rev Práxis. 2009;1(2):43-6.

2. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Censo Demográfico: características da população e dos domicílios. Rio de Janeiro: Gráfica digital; 2011. 270p.

3. Pagliuca LM, Fiuza NL, Reboucas CB. Aspectos da comunicação da enfermeira com o deficiente auditivo. Rev Esc Enferm USP. 2007;41(3):411-8. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342007000300010

4. Bisol C, Sperb TM. Discursos sobre a surdez: deficiência, diferença, singularidade e construção de sentido. Psicol Teor Pesqui. 2010;26(1):7-13.

5. Brasil [Internet]. Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras. 2005. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm. Acesso em: 04 out. 2013.

6. Oliveira YC, Costa GM, Coura AS, Cartaxo RO, França IS. A língua brasileira de sinais na formação dos profissionais de enfermagem, fisioterapia e odontologia no estado da Paraíba, Brasil. Interface: Com Saúde Educ. 2012;16(43):995-1008. http://www.dx.doi.org/10.1590/S1414-32832012005000047

7. Chaveiro N, Barbosa MA, Porto CC. Revisão de literatura sobre o atendimento ao paciente surdo pelos profissionais da saúde. Rev Esc Enferm USP. 2008;42(3):578-83. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342008000300023

8. Conselho Federal de Enfermagem (COFEN) [Internet]. Resolução no 317/2007. Revoga a Resolução COFEN-271/2002 que dispõe sobre as ações do Enfermeiro na consulta, prescrição de medicamentos e requisição de exames. Disponível em: http://novo.portalcofen.gov.br/resoluo-cofen-3172007_4351.html. Acesso em: 04 out. 2013.

9. Hinds PS, Chaves DE, Cypress SM. Context as a source of meaning and understanding. Qual Health Res. 1992;2(1):61-74. http://10.1177/104973239200200105

10. Braga EM, Silva MJP. Comunicação competente – visão de enfermeiros especialistas em comunicação. Acta Paul Enferm. 2007;20(4):410-4. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002007000400004

11. Castro SS, Paiva KM, Cesar CL. Communication difficulties between individuals with hearing disability and health professionals: a public health matter. Rev Soc Bras Fonoaudiol. 2012;17(2):128-34. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-80342012000200005

12. Oliveira HR, Lopes KS, Pinto NM. Percepção da equipe de enfermagem acerca da assistência prestada ao deficiente auditivo. Rev Enferm Integrada. 2009;2(1):165-75.

13. Cardoso AH, Rodrigues KG, Bachion MM. Percepção da pessoa com surdez severa e/ou profunda acerca do processo de comunicação durante seu atendimento de saúde. Rev Latino-Am Enferm. 2006;14(4):553-60. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692006000400013

14. Corrêa CS, Pereira LA, Barreto LS. Celestino PP, André KM. O despertar do enfermeiro em relação ao paciente portador de deficiência auditiva. Rev Pesqui Cuid Fundam. 2010;2(2):758-69.

15. Gomes V, Soares MC, Muniz RM, Silva JRS. Vivência do enfermeiro ao cuidar surdos e/ou portadores de deficiência auditiva. Enferm Glob. 2009;17. http://dx.doi.org/10.4321/S1695-61412009000300007

16. Chaveiro N, Barbosa MA. Assistência ao surdo na área de saúde como fator de inclusão social. Rev Esc Enferm USP. 2005;39(4):417-22.

17. Costa RK, Enders BC, Menezes RM. Trabalho em equipe de saúde: uma análise contextual. Ciência Cuid Saúde. 2008;7(4):530-6.

18. Brasil. Decreto nº 3.298, de 20 de dezembro de 1999. Regulamenta a Lei no 7.853, de 24 de outubro de 1989, dispõe sobre a Política Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência, consolida as normas de proteção, e dá outras providências. Brasília: 1999.

19. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Saúde da Pessoa Portadora de Deficiência. Brasília; 2008.

20. Brasil. Diário Oficial da União. Portaria 2.488 de 21 de outubro de 2011. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica, para a Estratégia Saúde da Família (ESF) e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Brasília: DOU; 2011.

21. Raimundo RJS, Santos TA. A importância do aprendizado da comunicação em libras no atendimento ao deficiente auditivo em serviço de saúde. Renefra. 2012;3(3):184-91.

22. Brasil. Decreto nº 7.612, de 17 de Novembro de 2011. Institui o Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência. Plano Viver sem Limite. Brasília; 2011.