Prevalência e fatores associados ao doping cosmético entre frequentadores de academias

Jhonatan Lima-Oliveira, Paulo Adriano Schwingel

Resumo


Introdução: O crescente culto ao corpo na sociedade atual tem levado diversos frequentadores de academia à prática sistemática de injetar óleos por via intramuscular, procedimento denominado doping cosmético. Assim, o presente estudo teve como objetivo verificar a prevalência de doping cosmético na região do Vale do São Francisco, buscando estabelecer os perfis sociodemográfico e clínico desse grupo de indivíduos. Relato de caso: Trata-se de um estudo retrospectivo e documental, com análise dos registros de 346 frequentadores de academias de ginástica, dos quais sete relataram utilização de doping cosmético. Destes registros, foram coletados dados sociodemográficos, cineantropométricos, hemodinâmicos, história patológica pessoal e familiar pregressa e de consumo de drogas lícitas e ilícitas. A prevalência de doping cosmético foi 2,0% (IC95% 0,8–4,1), e a maioria dos usuários são adultos jovens com segundo grau completo, trabalhadores de classe média, sendo considerados ativos com baixo percentual de gordura. Eles utilizam suplementos alimentares, esteroides anabolizantes e outras drogas ilícitas. Conclusão: Os achados contribuem na determinação do perfil dessa população, demonstrando que os usuários de doping cosmético são adultos jovens preocupados com a estética corporal. As características sociodemográficas encontradas diferem de estudos prévios quanto ao nível de escolaridade, renda e ocupação. Nesse sentido, ações voltadas para a conscientização dessa população quanto aos riscos e perigos da utilização do doping cosmético devem ser apoiadas o mais breve possível.


Palavras-chave


doping nos esportes; injeções intramusculares; óleo mineral; óleos vegetais; fatores de risco

Texto completo:

PDF

Referências


Sagoe D, Molde H, Andreassen CS, Torsheim T, Pallesen, S. The global epidemiology of anabolic-androgenic steroid use: a meta-analysis and meta-regression analysis. Ann Epidemiol. 2014;24(5):383-98. http://dx.doi.org/10.1016/j.annepidem.2014.01.009

Abrahin OSC, Sousa EC, Santos AM. Prevalence of the use of anabolic-androgenic steroids in Brazil: a systematic review. Subst Use Misuse. 2014;49(9):1156-62. http://dx.doi.org/10.3109/10826084.2014.903750

Azevedo AP, Ferreira AC, Da Silva PP, Caminha IO, Freitas CM. Dismorfia muscular: a busca pelo corpo hiper musculoso. Motri. 2012;8(1):53-66. http://dx.doi.org/10.6063/motricidade.8(1)240.

Figueiredo VC, Silva PRP, Trindade RS, Rose EH. Doping cosmético: a problemática das aplicações intramusculares de óleos. Rev Bras Med Esporte. 2011;17(1):56-61. http://dx.doi.org/10.1590/S1517-86922011000100011

Darsow U, Bruckbauer H, Worret WI, Hofmann H, Ring J. Subcutaneous oleomas induced by self-injection of sesame seed oil for muscle augmentation. J Am Acad Dermatol. 2000;42(2 pt1):292-4. http://dx.doi.org/10.1016/S0190-9622(00)90144-0

Iversen L, Lemcke A, Bitsch M, Karlsmark T. Compression bandage as treatment for ulcers induced by intramuscular self-injection of paraffin oil. Acta Derm Venereol. 2009;89(2):196-7. http://dx.doi.org/10.2340/00015555-0583

Figueiredo VC, Silva PR. Cosmetic doping-when anabolicandrogenic steroids are not enough. Subst Use Misuse. 2014;49(9):1163-7. http://dx.doi.org/10.3109/10826084.2014.916522

Marfell-Jones M, Olds T, Stewart A, Carter L. International standards for anthropometric assessment. 2ed. Potchefstroom: International Society for the Advancement of Kinanthropometry; 2006.

Lukaski HC. Requirements for clinical use of bioelectrical impedance analysis (BIA). Ann NY Acad Sci. 1999;873:72-6. http://dx.doi.org/10.1111/j.1749-6632.1999.tb09451.x

Pardini R, Matsudo S, Araújo T, Matsudo V, Andrade E, Braggion G, et al. Validação do questionário internacional de atividade física (iPAQ - versão 6): estudo piloto em adultos jovens brasileiros. Rev Bras Cienc Mov. 2001;9(3):45-51.

Iriart JAB, Chaves JC, Orleans RG. Culto ao corpo e uso de anabolizantes entre praticantes de musculação. Cad Saúde Pública. 2009;25(4):773-82. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2009000400008

Iriart JAB, Andrade TM. Musculação, uso de esteróides anabolizantes e percepção de risco entre jovens fisiculturistas de um bairro popular de Salvador, Bahia, Brasil. Cad Saúde Pública. 2002;18(5):1379-87. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2002000500031

Schwingel PA, Cotrim HP. Consumo de recursos ergogênicos entre praticantes de musculação de academia não registrada. Lec Educ Fis Dep. 2012;17(173):e111.

Azevedo MPA, Ferreira ACD, Ferreira UMG. Óleos de aplicação local intramuscular: epidemiologia do uso em praticantes de musculação. Rev Bras Cienc Mov. 2009;17(3):45-53.

Ip EJ, Barnett MJ, Tenerowicz MJ, Perry PJ. The Anabolic 500 survey: characteristics of male users versus nonusers of anabolic-androgenic steroids for strength training. Pharmacotherapy. 2011;31(8):757-66. http://dx.doi.org/10.1592/phco.31.8.757




DOI: https://doi.org/10.7322/abcshs.v40i1.704

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2015 Jhonatan Lima-Oliveira, Paulo Adriano Schwingel

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.