Fisioterapia respiratória no pré-operatório de colecistectomia

Lucas Lima Ferreira, Sueli Aparecida Alves

Resumo


Introdução: As cirurgias abdominais altas causam alterações da função pulmonar caracterizadas por redução da capacidade vital, relacionada à presença de hipoxemia e atelectasia, e pela  redução do volume expiratório forçado no primeiro segundo. Relato do caso: Paciente do sexo feminino, 29 anos, diagnóstico médico de cálculos biliares e hérnia hiatal, diagnóstico funcional de baixo desempenho cardiorrespiratório, a três meses de préoperatório de colecistectomia. Foi realizada avaliação composta por dados antropométricos, espirometria, teste de caminhada de seis minutos (TC6), mensuração das pressões respiratórias pIntrodução: As cirurgias abdominais altas causam alterações da função pulmonar caracterizadas por redução da capacidade vital, relacionada à presença de hipoxemia e atelectasia, e pela redução do volume expiratório forçado no primeiro segundo. Relato do caso: Paciente do sexo feminino, 29 anos, diagnóstico médico de cálculos biliares e hérnia hiatal, diagnóstico funcional de baixo desempenho cardiorrespiratório, a três meses de préoperatório de colecistectomia. Foi realizada avaliação composta por dados antropométricos, espirometria, teste de caminhada de seis minutos (TC6), mensuração das pressões respiratórias por meio da manovacuometria e do nível de qualidade de vida mediante o questionário SF-36. A seguir foi aplicado um protocolo de fisioterapia respiratória e reavaliação após o tratamento. Na avaliação inicial foi verificado que a paciente encontravase com sobrepeso (IMC=27,40 kg/m2), baixo desempenho cardiorrespiratório e fraqueza da musculatura respiratória. Conclusão: O protocolo aplicado mostrou-se eficaz, pois auxiliou na redução de peso corporal e melhorou o desempenho cardiorrespiratório por meio dos exercícios aeróbicos, e proporcionou ganho de força aos músculos respiratórios.


Palavras-chave


fisioterapia; cuidados pré-operatórios; colecistectomia

Texto completo:

PDF

Referências


Gastaldi AC, Magalhães CMB, Baraúna MA, Silva EMC, Souza HCD. Benefits of postoperative respiratory kinesiotherapy following laparoscopic cholecystectomy. Rev Bras Fisioter. 2008;12(2):100-6. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-35552008000200005

Celli B. Perioperative respiratory care of the patient undergoing upper abdominal surgery. Chest. 1993;14(2):253-61.

Santos JS, Sankarankutty AK, Salgado-Júnior W, Kemp R, Módena JLP, Elias-Júnior J, et al. Colecistectomia: aspectos técnicos e indicações para o tratamento da litíase biliar em neoplasias. Medicina. 2008;41(4):449-64.

Ramos GC, Pereira E, Gabriel-Neto S, Oliveira EC. Repercussão respiratória funcional após colecistectomia com incisão subcostal: efeito analgésico da morfina. Rev Col Bras Cir. 2009;36(2):139-43. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-69912009000200009

Shauer PR, Luna J, Ghiatas AA, Glen ME, Warren JM, Sirinek K. Pulmonary function after laparoscopy cholecystectomy. Surgery. 1993;114(2):389-97.

Erice S, Fox GS, Salib YM, Romano E, Meakins JL, Magder SA. Diaphragmatic function before and after laparoscopy cholecystectomy. Anesthesiology.1993;79(5):966-75. http://dx.doi.org/10.1097/00000542-199311000-00015

Rodrigues CP, Costa NST, Alves LA, Gonçalves CG. Efeito do treinamento muscular respiratório em pacientes submetidos à colecistectomia. Semina. 2010;31(2):137-42.

Roceto LS, Takara LS, Machado L, Zambon L, Saad IAB. Eficácia da reabilitação pulmonar uma vez na semana em portadores de doença pulmonar obstrutiva. Rev Bras Fisioter. 2007;11(6):475-80. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-35552007000600009

American Thoracic Society. Standardization of Spirometry, 1994 update. Am J Resp Crit Care. 1995;152(3):1107-36. http://dx.doi.org/10.1164/ajrccm.152.3.7663792

Neder JA, Andreoni S, Lerario MC, Nery LE. Reference values for lung function tests. II. Maximal respiratory pressures and voluntary ventilation. Braz J Med Biol Res. 1999;32(6):719-27. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-879X1999000600007

Brito RR, Sousa LAP. Teste de caminhada de seis minutos uma normatização brasileira. Fisioter Mov. 2006;19(4):49-54.

Ciconelli RM, Ferraz MB, Santos W, Meinão I, Quaresma MR. Tradução para a língua portuguesa e validação do questionário genérico de avaliação de qualidade de vida SF-36 (Brasil SF-36). Rev Bras Reumatol. 1999;39(3):143-50.

Ortiz LDN, Schaan CW, Leguisamo CP, Tremarin K, Matos WLLD, Kalil RAK, et al. Incidence of pulmonary complications in myocardial revascularization. Arq Bras Cardiol. 2010;95(4):441-47. http://dx.doi.org/10.1590/S0066-782X2010005000115

Fenner AP, Lazzari JH, Oliveira TB, Ferreira ENN. Prevalência de asma e rinite alérgica em escolares do município de Santo Ângelo/RS. Rev AMRIGS. 2009;53(2):122-27.

Dias CM, Plácido TR, Ferreira MFB, Guimarães FS, Menezes SLS. Inspirometria de incentivo e breath stacking: repercussões sobre a capacidade inspiratória em indivíduos submetidos à cirurgia abdominal. Rev Bras Fisioter. 2008;12(2):94-9. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-35552008000200004




DOI: https://doi.org/10.7322/abcshs.v38i1.8

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2014 Lucas Lima Ferreira, Sueli Aparecida Alves