Formação para o trabalho em equipe na residência multiprofissional em saúde

Isis Alexandrina Casanova, Nildo Alves Batista, Lídia Ruiz‑Moreno

Resumo


Introdução: As mudanças das necessidades de saúde e a implementação do Sistema Único de Saúde (SUS) no Brasil trouxeram à tona a necessidade de discutir e ampliar os debates sobre a atuação dos profissionais para um trabalho em equipe interprofissional. A Educação Interprofissional (EIP) apresenta‑se atualmente como estratégia para formar profissionais para o trabalho em equipe, essencial para a integralidade no cuidado. Objetivo: O objetivo da pesquisa foi analisar a percepção dos profissionais que cursam a Residência Multiprofissional em Saúde (RMS) sobre a formação para o trabalho em equipe. Métodos: Pesquisa de abordagem qualitativa de caráter exploratório descritivo. O instrumento utilizado para a coleta de dados foi uma questão aberta, componente de uma escala atitudinal que investigou a temática do trabalho em equipe. Participaram da pesquisa 76 residentes de segundo ano de duas instituições (uma pública federal e uma estadual) do Estado de São Paulo. Resultados: Os resultados passaram pela análise de conteúdo, tipo temático. A análise temática das respostas obtidas sobre a formação para o trabalho em equipe foi agrupada nas seguintes categorias: atendimento conjunto e tomada de decisão compartilhada no tratamento; trabalho em equipe para a integralidade do cuidado com centralidade no paciente; reconhecimento dos limites e especificidades de cada profissão, bem como a sua integração. Conclusão: Este trabalho demonstrou o potencial da RMS em formar profissionais de saúde para o trabalho em equipe e, consequentemente, para a transformação das práticas, com vistas a integralidade no cuidado.


Palavras-chave


recursos humanos em saúde; educação em saúde; equipe de assistência ao paciente; internato não médico; educação superior

Texto completo:

PDF

Referências


Peduzzi M, Norman IJ, Germani ACCG, Silva JAM, Souza GC. Educação Interprofissional: formação de profissionais de saúde para o trabalho em equipe com foco nos usuários. Rev Esc Enferm USP. 2013;47(4):977‑83. http://dx.doi.org/10.1590/S0080‑623420130000400029

Batista NA. Educação Inteprofissional em saúde: concepções e práticas. Cad Fenepas. 2012;2:5‑28.

Worl Health Organization (WHO). World Health Report 2010: Working Together for Health. Geneva: World Health Organization; 2010.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão da Educação na Saúde. Residência multiprofissional em saúde: experiências, avanços e desafios. Brasília: Ministério da Saúde; 2006. p.414.

Gil AC. Como elaborar projetos de pesquisa. 4a ed. São Paulo: Atlas; 2002.

Franco MLPB. Análise do Conteúdo. 2a ed. Brasília: Líber; 2005.

Peduzzi, M. Equipe multiprofissional de saúde: conceito e tipologia. Rev Saúde Pública. 2001;35(1):103‑109. http://dx.doi.org/10.1590/S0034‑89102001000100016

Campos GWS, Amaral MA. A clínica ampliada e compartilhada, a gestão democrática e redes de atenção como referenciais teórico‑operacionais para a reforma do hospital. Ciênc Saúde Coletiva. 2007;12(4):849‑59. http://dx.doi.org/10.1590/S1413‑81232007000400007

Feuerwerker LM. Modelos tecnoassistenciais, gestão e organização do trabalho em saúde: nada é indiferente no processo de luta para a consolidação do SUS. Interface. 2005;9(18):489‑506. http://dx.doi.org/10.1590/S1414‑32832005000300003

Cecílio LCO. As necessidades de saúde como conceito estruturante na luta pela integralidade e equidade na atenção à saúde. In: Pinheiro R, Mattos RA. Os sentidos da integralidade na atenção e no cuidado à saúde. Rio de Janeiro: IMS/ABRASCO; 2001. p.113‑26.

Assumpção PFS, Mioto RCT. Revisitando o conceito de integralidade em saúde a partir da teoria crítico dialética. Disponível em:http://www.joinpp.ufma.br/jornadas/joinppIV/eixos/9_estados‑e‑lutas‑sociais/revisitando‑o‑conceito‑de‑integralidade‑em‑saude‑a‑partir‑dateoria‑critico‑dialetica.pdf. Acesso 15 jul. 2015.

Brasil. Ministério da Educação. Conselho Nacional da Educação. Parecer CNE/CES 1133/2001. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/ces1133.pdf Acesso em: 16 jul. 2015.

Pinho MCG. Trabalho em equipe de saúde: limites e possibilidades de atuação eficaz. Ciênc Cognição. 2006;8:68‑87.




DOI: https://doi.org/10.7322/abcshs.v40i3.800

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2015 Isis Alexandrina Casanova, Nildo Alves Batista, Lídia Ruiz‑Moreno

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.