Diretrizes Curriculares na saúde e as mudanças nos modelos de saúde e de educação

Carlos Otávio Fiúza Moreira, Maria Socorro de Araújo Dias

Resumo


Artigo produzido a partir de pesquisa bibliográfica e de questões formuladas para uma conferência no módulo “Educação na Saúde II” do Mestrado Profissional da Rede Nordeste de Formação em Saúde da Família. O texto discute questões dos campos da saúde e da educação relacionadas à emergência de novos modelos de saúde e de formação; analisa também as Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN) de três cursos da área da saúde (Medicina, Enfermagem e Odontologia) como expressão desses novos modelos para saúde e para a educação. Uma questão transversal ao artigo são as relações entre os campos da saúde e da educação. Para isto, lança‑se mão do conceito de campo, desenvolvido pelo sociólogo Pierre Bourdieu. Considera‑se, ainda, o desafio de transformar as DCN em currículos e programas, ferramentas ou dispositivos necessários para fazer a passagem do que está prescrito para os cenários de ensino e aprendizagem.


Palavras-chave


educação; saúde; curriculo.

Texto completo:

PDF

Referências


Bourdieu P. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil; 1989.

Bourdieu P. Razões práticas: sobre a teoria da ação. Campinas: Papirus; 2008.

Bourdieu P. Escritos de educação. Petrópolis: Vozes; 1998.

Brasil. Presidência da República. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília: 1988.

Machado CV. Direito universal, política nacional: o papel do Ministério da Saúde na política de saúde brasileira de 1990 a 2002. Tese (Doutorado) – Instituto de Medicina Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2005.

Paim JS. Saúde da Família: espaço de reflexão e de contra‑hegemonia. Interface. 2001;5(9):143‑6. http://dx.doi.org/10.1590/S1414‑32832001000200010

Pereira IDF. A formação profissional em saúde no Brasil pós‑1988: aspectos das Conferências Nacionais de Saúde e das Políticas Públicas. Dissertação (Mestrado) – Escola Nacional de Saúde Pública, Rio de Janeiro, 2013.

Rezende M. A articulação educação‑saúde (AES) no processo de formulação das políticas nacionais voltadas a formação de nível superior dos profissionais de saúde. Tese (Doutorado) – Escola Nacional de Saúde Pública, Rio de Janeiro, 2013.

Silva IZQJ, Trad LAB. O trabalho em equipe no PSF: investigando a articulação técnica e a interação entre os profissionais. Interface. 2005;9(16):25‑38. http://dx.doi.org/10.1590/S1414‑32832005000100003

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Assistência à Saúde. Coordenação de Saúde da Comunidade. Saúde da Família: uma estratégia para a reorientação do modelo assistencial. Brasília: Ministério da Saúde; 1997.

Germano RM, Formiga JMM, Bezerra de Melo MN, Vilar RLA, Almeida Junior JJ. Capacitação das equipes do PSF: desvendando uma realidade. In: Castro JL. Gestão do trabalho no SUS: entre o visível e o oculto. Natal: Observatório RH‑NESC/UFRN; 2007. p. 105‑32.

Barrêto ICHC, Oliveira EM, Andrade LOM, Martins Junior T, Osawa M, Vicente A, et al. A Residência em Saúde da Família em Sobral: um ano formando especialistas em larga escala. Sanare: Rev Políticas Públicas. 2000;2(3):18‑28.

Ceccim RB, Feuerwerker LCM. O quadrilátero da formação para a área da saúde: ensino, gestão, atenção e controle social. Physis. 2004;14(1):41‑65. http://dx.doi.org/10.1590/S0103‑73312004000100004

Brasil. Ministério da Saúde. A educação permanente entra na roda: pólos de educação permanente em saúde: conceitos e caminhos

a percorrer. 2 ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2005.

Feuerwerker LCM, Costa HOG, Barbosa N, Khalil ME. O processo de construção e de trabalho da Rede Unida. Divulg Saúde Debate. 2000;22:9‑17.

Feuerwerker LCM. Algumas reflexões sobre o desenvolvimento do Programa UNI. Divulg Saúde Debate. 2000;22:63‑70.

Brasil. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília; 1996.

Martins RO. Entrevista: É hora de estabelecer as Diretrizes Curriculares. Rev Olho Mágico. 2004:4(16).

Maranhão E. A construção coletiva das Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação da Saúde: uma contribuição para o Sistema Único de Saúde. In: Almeida MJ. Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos universitários da área de saúde. Londrina: Rede Unida; 2003.

Rossoni E, Lampert J. Formação de profissionais para o Sistema Único de Saúde e as diretrizes curriculares. Bol Saúde. 2004;18(1):87‑98.

Brasil. Resolução do Conselho Nacional de Educação e da Câmara de Educação Superior nº 4, de 7 de novembro de 2001. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES04.pdf. Acesso em: 06 ago. 2013.

Brasil. Resolução do Conselho Nacional de Educação e da Câmara de Educação Superior nº 3, de 7 de novembro de 2001. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Enfermagem. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES03.pdf. Acesso em: 06 ago. 2013.

Brasil. Resolução do Conselho Nacional de Educação e da Câmara de Educação Superior 3, de 19 de fevereiro de 2002. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES032002.pdf. Acesso em: 06 ago. 2013.

Parente JRF. Preceptoria e tutoria na residência multiprofissional em saúde da família. Sanare. 2008;7(2):47‑53.

Fundação Oswaldo Cruz. Educação à Distância. Curso de Especialização em ativação de processos de mudança na formação superior de profissionais de saúde. Cad Especializando. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2005.

Feuerwerker L, Costa H, Rangel ML. Diversificação de cenários de ensino e trabalho sobre necessidades/problemas da comunidade. Divulg Saúde Debate. 2000;22:36‑48.




DOI: https://doi.org/10.7322/abcshs.v40i3.811

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2015 Carlos Otávio Fiúza Moreira, Maria Socorro de Araújo Dias

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.