Overweight of users from basic health units

Main Article Content

Eduardo Alves da Silva
Rebeca Lima e Silva
Romilda Pereira da Conceição
Daniela Queiroz Zinhani
Marcia Maria Hernandes de Abreu de Oliveira Salgueiro

Abstract

Introduction: The knowledge of the nutritional status of the population is the establishment of public health policies. Objective: To evaluate the nutritional status and sociodemographic characteristics of users of basic health units (UBSs) of Carapicuíba, São Paulo. Methods: A cross-sectional study with 384 adults distributed in 13 UBS of the municipality. Data were collected regarding age, gender, educational level, economic classification information, marital status, waist circumference (WC), weight and height to calculate body mass index (BMI). Results: The mean age was 40.18±10.51 years, higher prevalence of married individuals (60.36%), social class C (64.71%) and with high school complete (48.08%). The average BMI was 28.42 kg/m² and the WC of 94.09 cm. It is observed that 31.97% are overweight and obese are 37.85%. About WC 16.11% present increased risk and substantially increased risk 64.2% to metabolic disease. Married women have BMI (p=0.0054) and WC (p=0.0279) larger than single women. Women’s WC larger than men (p<0.0001). Men of class A and B have WC larger than men of class C and D (p=0.0027). There was no association between schooling and the BMI and the CC among women and among men (p>0.05). Conclusion: The overweight was found frequently in all income groups. Married women showed BMI and WC larger than single women. Men of high economic class have WC larger than the lower class.

Downloads

Download data is not yet available.

Article Details

How to Cite
Silva, E. A. da, Silva, R. L. e, Conceição, R. P. da, Zinhani, D. Q., & Salgueiro, M. M. H. de A. de O. (2016). Overweight of users from basic health units. ABCS Health Sciences, 41(1). https://doi.org/10.7322/abcshs.v41i1.838
Section
Original Articles

References

1. Batista Filho M, Souza AI, Miglioli TC, Santos MV. Anemia e obesidade: um paradoxo da transição nutricional brasileira. Cad Saúde Pública. 2008;24(Sup. 2):S247-57. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2008001400010

2. World Health Organization (WHO). Preventing chronic diseases a vital investment. Geneva: WHO; 2005. p. 182.

3. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Atenção Básica. Orientações para coleta e análise de dados antropométricos em serviços de saúde: Norma Técnica do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional – SISVAN. Brasília: Ministério da Saúde; 2011.

4. Machado SP, Rodrigues DGC, Viana KDAL, Sampaio HAC. Correlação entre índice de massa corporal e indicadores antropométricos de obesidade abdominal em portadores de diabetes mellitus tipo 2. Rev Bras Promoç Saúde. 2012;25(4):512-20.

5. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Pesquisa de orçamentos familiares 2008-2009: antropometria e estado nutricional de crianças, adolescentes e adultos no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE; 2010.

6. Moraes AS, Humberto JSM, Freitas ICM. Estado nutricional e fatores sociodemográficos em adultos residentes em Ribeirão Preto, SP, 2006: projeto OBEDIARP. Rev Bras Epidemiol. 2011;14(4):662-76. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-790X2011000400013

7. Correia LL, Silveira DMI, Silva AC, Campos JC, Machado MMT, Rocha HAL, et al. Prevalência e determinantes de obesidade e sobrepeso em mulheres em idade reprodutiva residentes na região semiárida do Brasil. Ciênc Saúde Coletiva. 2011;16 (1):133-45. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011000100017

8. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Atenção Básica. Diretrizes e Recomendações para o Cuidado Integral de Doenças Crônicas Não Transmissíveis: Promoção da Saúde, Vigilância, Prevenção e Assistência. Brasília: Ministério da Saúde; 2008.

9. Duncan BB, Chor D, Aquino EML, Barreto SM, Bensenor IM, Mill JG, et al. Doenças Crônicas não transmissíveis no Brasil: prioridade para enfrentamento e investigação. Rev Saúde Pública. 2012;46(Supl. 1):126-34. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102012000700017

10. Laboratório de Epidemiologia e Estatística [Internet]. Tamanho da amostra para referência em ciências da saúde. Disponível em: www.lee.dante.br/pesquisa/amostragem/amostra.html. Acesso em: 25 mar. 2013.

11. Frishancho AR. Anthropometric Standards for the assessment of growth and nutritional status. Ann Arbor: Universty of Michigan; 1999.

12. Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa (ABEP). Critério de Classificação Econômica Brasil; 2012. Disponível em: http://www.abep.org/new/criterioBrasil.aspx. Acesso em: 25 mar. 2013.

13. World Health Organization (WHO). Obesity: preventing and managing the global epidemic: Report of a WHO consultation on obesity. Geneva: WHO; 2000.

14. Scientific Software GraphPad Prism 6.0. GraphPad Software ©, Inc. 1992-2014.

15. Silva RA, Jacinto PVO, Davis JRP, Santos LC. Intervenção Nutricional integrada à prática lian gong em usuários hipertensos em Unidade Básica de Saúde de Belo Horizonte, Minas Gerais. Rev APS. 2012;15(3):356-63.

16. Duarte SJH, Oliveira JR, Souza RR. A Política saúde do homem e sua operacionalização na atenção primária à saúde. Rev Eletrônica Gest Saúde. 2012;3(1):520-30.

17. Moura EC, Lima AMP, Urdaneta M. Uso de indicadores para o monitoramento das ações de promoção e atenção da Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH). Ciênc Saúde Coletiva. 2012;17(10):2597-606. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232012001000009

18. Santos VEP, Cruz NM, Laísla AM, Moura JG, Matos KKC. O estado nutricional e comportamento alimentar de um grupo de mulheres na Estratégia de Saúde da Família. Rev Enferm UFSM. 2012;2(2):394-400.

19. Secretaria Municipal de São Paulo. Estado nutricional. Coordenação de Epidemiologia e Informação. Boletim ISA Capital 2008. São Paulo: Secretaria Municipal de São Paulo; 2010. v. 2. p. 40.

20. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não transmissíveis e promoção de saúde. Vigitel Brasil 2012: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

21. Teichmann L, Olinto MTA, Costa JSD, Ziegler D. Fatores de risco associados ao sobrepeso e a obesidade em mulheres de São Leopoldo, RS. Rev Bras Epidemiol. 2006;9(3):360-73. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-790X2006000300010

22. Castanheira M, Olinto MTA, Gigante DP. Associação de variáveis sociodemográficas e comportamentais com a gordura abdominal em adultos: estudo de base populacional no Sul do Brasil. Cad Saúde Pública. 2003;19(1):55-65. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2003000700007

23. Lima WC, Lucas RWC, Nassif PAN, Bopp DS, Malafaia O. Análise da relação entre a estatura e o perímetro abdominal em indivíduos portadores de percentuais normais de gordura. ABCD. Arq Bras Cir Dig. 2010;23(1):24-8. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-67202010000100007

24. Xavier HT, Izar MC, Faria Neto JR, Assad MH, Rocha VZ, Sposito AC, et al. V Diretriz Brasileira sobre Dislipidemias e Prevenção da Aterosclerose. Arq Bras Cardiol. 2013;101(4:Suppl. 1):1-22. http://dx.doi.org/10.5935/abc.2013S010

25. Sposito AC, Caramelli B, Fonseca FAH, Bertolami MC. IV Diretriz Brasileira sobre Dislipidemias e prevenção da aterosclerose. Departamento de Aterosclerose da Sociedade Brasileira de Cardiologia. Arq Bras Cardiol. 2007;88(Supl. 1):2-19.

26. Marie NG, Fleming T, Robinson M, Thomson B, Graetz N, Margono C, et al. Global, regional, and national prevalence of overweight and obesity in children and adults during 1980-2013: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2013. Lancet. 2014;384(9945):766-81. http://dx.doi.org/10.1016/S0140-6736(14)60460-8