Análise do tempo de ventilação mecânica e internamento em pacientes submetidos a cirurgia cardíaca

André Luiz Lisboa Cordeiro, Adrianna Souza Silva de Lima, Isis Caroline Oliveira Matos, Lais Vilas Boas Oliveira, André Raimundo Guimarães, Sarah de Oliveira Carvalho, Thiago Araújo de Melo

Resumo


Introdução: Pacientes submetidos à cirurgia cardíaca (CC) necessitam de ventilação mecânica invasiva (VMI) após o procedimento cirúrgico, sendo que um tempo prolongado de VMI pode levar a um aumento do tempo de permanência na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Objetivo: Verificar se o tempo de VMI interfere no tempo de internação em UTI. Métodos: Foram analisados, prospectivamente, pacientes submetidos à CC e que permaneceram por um tempo inferior a 24 horas na VMI. Foram selecionados 69 pacientes, os quais foram admitidos na UTI e acompanhados até o momento da extubação. Com esse dado encontrou-se o tempo que permaneceram em VMI e, depois, quantos dias permaneceram internados na UTI até o momento da alta da unidade. Resultados: A maior parte dos pacientes submetidos à CC foi do sexo masculino (56,5%); a idade média foi de 55,93±14,29 anos; o tipo de cirurgia mais prevalente foi a revascularização miocárdica (71,0%); o tempo médio de circulação extracorpórea (CEC) foi de 65,05±20,06 minutos; o tempo médio de internação na UTI foi de 2,18±1,10 dias; o tempo de VMI foi de 7,32±2,66 horas. Não se verificou significância estatística entre essas duas últimas variáveis com um p=0,43. Conclusão: Pode-se concluir que não houve correlação entre o tempo de ventilação mecânica e tempo de internação em UTI em pacientes que não apresentaram complicações pós-operatórias imediatas e que permaneceram menos de 12 horas sob ventilação mecânica. 


Palavras-chave


respiração artificial; cirurgia torácica; unidades de terapia intensiva

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Ministério da saúde. DATASUS. Informações de saúde: informações epidemiológicas e morbidade. Disponível em http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php?area=02. Acesso em: 10 set. 2015.

Herdy AH, Marcchi PL, Vila A, Tavares C, Collaço J, Niebauer J, et al. Pre and postoperative cardiopulmonary rehabilitation in hospitalized patients undergoing coronary artery bypass surgery: a randomized controlled Trial. Am J Phys Med Rehabil. 2008;87(9):714-19. http://dx.doi.org/10.1097/PHM.0b013e3181839152

Butler R, Keenan SP, Inman KJ, Siibbald WJ, Block G. Is there a preferred technique for weaning the difficult to wean patient? A systematic review of the literature. Crit Care Med. 1999;27(11):2331-6. http://dx.doi.org/10.1097/00003246-199911000-00002

Kehlet H, Wilmore DW. Evidence-based surgical care and the evolution of fast-track surgery. Ann Surg. 2008;248(2):189-98. http://dx.doi.org/10.1097/SLA.0b013e31817f2c1a

Patel BK, Hall JB. Perioperative physiotherapy. Curr Opin Anesthesiol. 2013;26(2):152-6. http://dx.doi.org/10.1097/ACO.0b013e32835e8b34

Nozawa E, Kobayashi E, Matsumoto ME, Feltrim MIZ, Carmona MJC, Auler Júnior JOC. Avaliação de fatores que influenciam no desmame de pacientes em ventilação mecânica prolongada após cirurgia cardíaca. Arq Bras Cardiol. 2003;80(3):301-5. http://dx.doi.org/10.1590/S0066-782X2003000300006

Gouvas N, Tan E, Windsor A, Xynos E, Tekkis PP. Fast-track vs standart care in colorectal surgery: a meta-analysis update. Int J Colorectal Dis. 2009;24(10):1119-31. http://dx.doi.org/10.1007/s00384-009-0703-5

Leguisamo CP, Kalil RA, Furlani AP. A efetividade de uma proposta fisioterapêutica pré-operatória para cirurgia de revascularização do miocárdio. Rev Bras Cir Cardiovasc. 2005;20(2):134-41. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-76382005000200008

Laizo A, Delgado FEF, Rocha GM. Complicações que aumentam o tempo de permanência na unidade de terapia intensiva na cirurgia cardíaca. Rev Bras Cir Cardiovasc. 2010;25(2):166-71. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-76382010000200007

Guizillini S, Gomes WJ, Faresin SM, Carvalho ACC, Jaramillo JI, Alves FA, et al. Efeitos do local da inserção do dreno pleural na função pulmonar no pós-operatório de cirurgia de revascularização do miocárdio. Rev Bras Cir Cardiovasc. 2005;19(1):47-54. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-76382004000100010

Cockram J, Jenkins S, Clugston R. Cardiovascular and respiratory responses to early ambulation and star climbing following coronary artery surgery. Physiot Theory Pract. 2009;15(1):3-15. http://dx.doi.org/10.1080/095939899307856

Gomes RV, Tura B, Tannus H, Mendonça Filho TF, Campos LAA, Rouge A, et al. Rioescore: escore preditivo de mortalidade para pacientes submetidos à cirurgia cardíaca baseado em variáveis de pré, per e primeiro dia de pós-operatório. Rev SOCERJ. 2005;18(6):516-26.

Damasceno MPCD, David CMN, Souza PCSP, Chiavone PA, Cardoso LTQ, Amaral JLG, et al. Ventilação mecânica no Brasil: aspectos epidemiológicos. Rev Bras Ter Intensiva. 2006;18(3):219-28. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-507X2006000300002

Nozawa E, Kobayashi E, Matsumoto ME, Feltrim MIZ, Carmona MJC, Auler Júnior JOC. Assessment of factors that influence weaning from long-term mechanical ventilation after; cardiac surgery. Arq Bras Cardiol. 2003;80(3):306-10. http://dx.doi.org/10.1590/S0066-782X2003000300006

Piotto RF, Ferreira FB, Colósimo FC, Silva GS, Sousa AG, Braile DM. Fatores preditores independentes de ventilação mecânica prolongada em pacientes submetidos à cirurgia de revascularização miocárdica. Rev Bras Cir Cardiovasc. 2012;27(4):520-28. http://dx.doi.org/10.5935/1678-9741.20120093

Soares GMT, Ferreira DCS, Gonçalves MPC, Alves TGS, David FL, Henriques KMC et al. Prevalência das principais complicações pós-operatórias em cirurgias cardíacas. Rev Bras Cardiol. 2001;24(3):139-46.

Abelha FJ, Castro MA, Landeiro NM, Neves AM, Santos CC. Mortalidade e o tempo de internação em uma unidade de terapia intensiva cirúrgica. Rev Bras Anestesiol. 2006;56(1):34-45. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-70942006000100005

Oliveira ABF, Dias OM, Mello MM, Araújo S, Dragosavac D, Nucci A, et al. Fatores associados à maior mortalidade e tempo de internação prolongado em uma unidade de terapia intensiva de adultos. Rev Bras Ter Intensiva. 2010;22(3):250-56. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-507X2010000300006




DOI: https://doi.org/10.7322/abcshs.v42i1.942

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 André Luiz Lisboa Cordeiro, Adrianna Souza Silva de Lima, Isis Caroline Oliveira Matos, Lais Vilas Boas Oliveira, André Raimundo Guimarães, Sarah de Oliveira Carvalho, Thiago Araújo de Melo

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.