Violência sexual na região do ABC Paulista: retrato de 142 casos

Josyandra Paula de Freitas Rosa, Manuella Missawa de Oliveira, Manoel Messias de Oliveira Filho, César Eduardo Fernandes, Emerson Oliveira

Resumo


Introdução: O abuso sexual deixa sequelas graves, como limitações sociais. Objetivo: Descrever o perfil das vítimas de violência sexual atendidas em um serviço especializado, na cidade de Mauá, São Paulo, entre 2008 a 2009. Métodos: Analisou-se 138 mulheres, assistidas em um Hospital Universitário. Estudo retrospectivo com levantamento de prontuários para coleta de dados. As variáveis estudadas foram: idade, etnia, relacionamento conjugal e sexual, hora da violência, número de agressores, busca por auxílio médico, uso de medicações e exames protocolares, comunicação por parte da vítima às autoridades competentes, uso de arma pelo agressor e número de gestações decorrentes. Resultados: A média de idade foi de 22 anos. A maioria não possuía relação estável, tinha atividade sexual previamente à violência, etnia branca, procurou auxílio médico em até 72 horas após o ocorrido usou medicações protocolares. No período noturno ocorreram mais crimes e a violência nesse momento teve maior probabilidade de ser praticada por mais de um agressor. Apenas 26,7% pacientes reconheceram os agressores e somente 42,9% e 21,8% das mulheres fizeram boletim de ocorrência e exame de corpo de delito, respectivamente. Em 40,8% foi utilizado algum tipo de arma na abordagem ou durante o crime. Por fim, nenhuma das pacientes que fez contracepção de emergência engravidou. Somente quatro engravidaram em decorrência da agressão. Conclusão: A caracterização das pessoas que sofrem violência sexual é de extrema importância para a criação de estratégias de atendimento para a profilaxia de doenças sexualmente transmissíveis e seguimento ambulatorial até finalizar o tratamento, além de acompanhamento psicológico. 


Palavras-chave


violência; delitos sexuais; estupro; direitos da mulher; serviços de saúde da mulher

Texto completo:

PDF

Referências


Krug EG, Dahlberg LL, Mercy JA, Zwi A, Lozano R. Relatório mundial sobre violência e saúde. Genebra: Organização Mundial da Saúde; 2002.

Brasil. Presidência da República. Lei n. 12.015, de 7 de agosto de 2009. Altera o Título VI da Parte Especial do Decreto-Lei no 2.848, de 7 de dezembro de 1940 - Código Penal, e o art. 1o da Lei no 8.072, de 25 de julho de 1990, que dispõe sobre os crimes hediondos, nos termos do inciso XLIII do art. 5o da Constituição Federal e revoga a Lei no 2.252, de 1º de julho de 1954, que trata de corrupção de menores. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03_Ato2007-2010/2009/Lei/L12015.htm Acesso em: 29 out. 2017

Jones JS, Alexander C, Wynn BN, Rossman L, Dunnuck C. Why women don’t report sexual assault to the police: the influence of psychosocial variables and traumatic injury. J Emerg Med. 2009;36(4):417-24. http://dx.doi.org/10.1016/j.jemermed.2007.10.077

Lang DL, Sales JM, Salazar LF, Hardin JW, Diclemente RJ, Wingood GM, et al. Rape victimization and high-risksexual behaviors: longitudinal study of African-American adolescent females. West J Emerg Med. 2011;12(3):333-42.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Prevenção e tratamento dos agravos resultantes da violência sexual contra mulheres e adolescentes. Brasília: MS; 2012.

Eastgate G, Van Driel ML, Lennox N, Scheermeyer E. Women with intellectual. Disabilities.A study of sexuality, sexual abuse and protection skills. Aust Fam Physician. 2011;40(4):226-30.

Gal G, Levav I, Gross R. Psychopathology among adults abused during childhood or adolescence. J Nerv Ment Dis.2011;199(4):222-9. http://dx.doi.org/10.1097/NMD.0b013e31820c7543

Swain SN, Saggurti N, Battala M, Verma RK, Jain AJ. Experience of violence and adverse reproductive health outcomes, HIV risks among mobile female sex workers in India. BMC Public Health. 2011;11:357.http://dx.doi.org/10.1186/1471-2458-11-357

Peschers UM, Du Mont J, Jundt K, Pfürtner M, Dugan E, Kindermann G. Prevalence of sexual abuse among women seeking gynecologic care in Germany. Obstet Gynecol. 2003;101(1):103-8.

Haydon AA, Hussey JM, Halpern CT. Childhood abuse and neglect and the risk of STDs in early adult hood. Perspect Sex Reprod Health. 2011;43(1):16-22. http://dx.doi.org/10.1363/4301611

Abajobir AA, Kisely S, Maravilla JC, Williams G, Najman JM. Gender differences in the association between childhood sexual abuse and risky sexual behaviours: a systematic review and meta-analysis. Child Abuse Neglect. 2017;63:249-60. https://doi.org/10.1016/j.chiabu.2016.11.023

Yoshida K, DuMont J, Odette F, Lysy D. Factors associated with physical and sexual violence among canadian women living with physical disabilities. Health Care Women Int. 2011;32(8):762-75. https://dx.doi.org/10.1080/07399332.2011.555826

Machado CL, Azevedo RCS, Facuri CO, Vieira MJN, Fernandes AMS. Posttraumatic stress disorder, depression, and hopelessness in women who are victims of sexual violence. Int J Gynaecol Obstet. 2011;113(1):58-62. https://dx.doi.org/10.1016/j.ijgo.2010.10.016

Villela WV, Lago T. Conquistas e desafios no atendimento das mulheres que sofreram violência sexual. Cad Saúde Pública. 2007;23(2):471-5. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2007000200025

Oliveira PS, Rodrigues VP, Morais RLGL, Machado JC. Assistência de profissionais de saúde à mulher em situação de violência sexual: revisão integrativa. RevEnfermUFPE.2016;10(5):1828-39. http://dx.doi.org/10.5205/reuol.9003-78704-1-SM.1005201632

Deslandes S, Mendes CHF, Lima JS, Campos DS. Indicadores das ações municipais para a notificação e o registro de casos de violência intrafamiliar e exploração sexual de crianças e adolescentes. Cad Saúde Pública. 2011;27(8):1633-45. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2011000800018

Silva PA, Lunardi VL, Lunardi GL, Arejano CB, Oliveira AMN, Vasques TCS. Violência intrafamiliar contra crianças e adolescentes: análise reflexiva sobre as dificuldades e a atuação da enfermagem. J Nurs UFPE. 2014;8(7):2498-2506. http://dx.doi.org/10.5205/reuol.5927-50900-1-SM.0807suppl201439

Brasil. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Síntese de Indicadores Sociais. IBGE; 2010.

Jones JS, Alexander C, Wynn BN, Rossman L, Dunnuck C. Why women don't report sexual assault to the police: the influence of psychosocial variables and traumatic injury. J Emerg Med. 2009;36(4):417-24. http://dx.doi.org/10.1016/j.jemermed.2007.10.077

Brasil. Ministério da Saúde. Prevenção e tratamento dos agravos resultantes da violência sexual contra mulheres e adolescentes. 2ª ed. Brasília: MS; 2005.

Gomez AM. Sexual violence as a predictor of unintended pregnancy, contraceptive use, and unmet need among female youth in Colombia. J Womens Health (Larchmt). 2011;20(9):1349-56. http://dx.doi.org/10.1089/jwh.2010.2518

Cook JM, Dinnen S, O’Donnell C. Older women survivors of physical and sexual violence:a systematic review of the quantitative literature. J Womens Health (Larchmt). 2011;20(7):1075-81. http://dx.doi.org/10.1089/jwh.2010.2279

Guimarães JATL, Villela WV. Características da violência física e sexual contra crianças e adolescentes atendidos no IML de Maceió, Alagoas, Brasil. Cad Saúde Pública. 2011;27(8):1647-53. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2011000800019

Facuri CO, Fernandes AMS, Oliveira KD, Andrade TS, Azevedo RCS. Violência sexual: estudo descritivo sobre as vítimas e o atendimento em um serviço universitário de referência no Estado de São Paulo, Brasil. Cad Saúde Pública. 2013;29(5):889-98. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2013000500008

Oshikata CT, Bedone AJ, Faundes A. Atendimento de emergência a mulheres que sofreram violência sexual: características das mulheres e resultados até seis meses pós-agressão. Cad Saúde Pública. 2005;21(1):192-9. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2005000100021

Go VF, Srikrishnan AK, Salter ML, Mehta S, Johnson SC, Sivaram S, et al. Factors associated with the perpetration of sexual violence among wine-shop patrons in Chennai, India. Soc Sci Med. 2010;71(7):1277-84.http://dx.doi.org/10.1016/j.socscimed.2010.07.005

Dalal K, Andrews J, Dawad S. Contraception use and associations with intimate partner violence among women in Bangladesh. J Biosoc Sci. 2012;44 (1):83-94. http://dx.doi.org/10.1017/S0021932011000307

Sandor M, Dalal K. Influencing factors on time of breastfeeding initiation among a national representative sample of women in India. Health. 2013;5(12):2169-80. http://dx.doi.org/10.4236/health.2013.512296

Bacchus LJ, Bewley S, Vitolas CT, Aston G, Jordan P, Murray SF. Evaluation of a domestic violence intervention in the maternity and sexual health services of a UK hospital. Reprod Health Matters. 2010;18(36):147-57. http://dx.doi.org/10.1016/S0968-8080(10)36526-8

Moreno CL, Morril, AC, El-BasselN. Sexualrisk factors for Hiv and violence among Puerto Rican women in new York City. Health Soc Work. 2011;36(2):87-97. http://dx.doi.org/10.1093/hsw/36.2.87

Fanslow JL, Robinson EM. Physical injuries resulting from intimate partner violence and disclosure to healthcare providers: results from a New Zealand population-based study. Inj Prev. 2011;17(1):37-42.http://dx.doi.org/10.1136/ip.2009.026104

Trigueiro TH; Merighi MAB; Medeiros ARP; Lopes CE; Mata NDS; Jesus MCP. Victims of sexual violence attended in a specialized service. Cogitare Enferm. 2015; 20(2):249-56. http://dx.doi.org/10.5380/ce.v20i2.40355

Souto RQ, Araújo FKDC, Xavier AFC, Cavalcanti AL. Rape against Brazilian Women: Characteristics of Victims and Sex Offenders. Iran J Public Health. 2015; 44(12):1613-9.




DOI: https://doi.org/10.7322/abcshs.v43i1.994

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Josyandra Paula de Freitas Rosa, Manuella Missawa Oliveira, Manoel Messias de Oliveira Filho, César Eduardo Fernandes, Emerson Oliveira

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.