Análise multivariada da esquistossomose no estado de Minas Gerais: análise de componentes principais

José de Paula Silva, Salvador Boccaletti Ramos, Monica de Andrade

Resumo


Introdução: A esquistossomose mansônica é uma doença negligenciada no Brasil, logo, relacionada à pobreza e ausência de condições sanitárias. Ocorre na região litorânea do nordeste e se interioriza a partir do estado da Bahia, chegando a Minas Gerais. Objetivo: Agrupar, por meio da análise de componentes principais, as principais variáveis relacionadas à esquistossomose em fatores que possam explicar a variância dos dados. Métodos: Foram avaliadas as notificações de esquistossomose entre os anos de 2007 a 2014, considerando a média por 100 mil habitantes. As variáveis: educação, saúde, economia, infraestrutura e saneamento, população, altimetria e Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), foram obtidas no Atlas Brasil; os dados das notificações de esquistossomose foram obtidos no Sistema de Informação de Agravos e Notificação (SINAN). A análise estatística foi realizada a partir da análise de componentes principais, visando identificar os principais fatores que contribuem de forma mais significativa, com a variância dos dados. Resultados: Considerando os critérios propostos, três fatores explicaram mais de 76% da variância, sendo o primeiro relacionado às variáveis: taxa de analfabetismo em 18 anos ou mais, sem ensino fundamental, mortalidade infantil, extremamente pobre, vulnerável a pobreza, esgotamento sanitário inadequado e população rural. O segundo foi relacionado à variável esgotamento sanitário e o terceiro fator à variável altitude. Conclusão: As variáveis associadas aos fatores, principalmente aquelas pautadas nos determinantes sociais de saúde, demonstram uma forte relação com a ocorrência da esquistossomose. A contribuição do estudo nos remete a possibilidade de agrupar variáveis em fatores que comportam de forma sinérgica e favorecem a incidência da parasitose.


Palavras-chave


esquistossomose; análise fatorial; doenças negligenciadas

Texto completo:

PDF

Referências


Lindoso JAL, Lindoso AABP. Neglected tropical diseases in Brazil. Rev Inst Med Trop. 2009; 51(5):247-53. http://dx.doi.org/10.1590/S0036-46652009000500003

Carvalho OS, Coelho PMZ, Lenzi HL. Schistosoma mansoni & Esquistossomose: uma visão multidisciplinar. FIOCRUZ, 2008.

Brasil. Ministério da Saúde. Vigilância da Esquistossomose Mansoni: diretrizes técnicas. 4ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2014.

Saucha CVV, Silva JAM, Amorim LB. Condições de saneamento básico em áreas hiperendêmicas para esquistossomose no estado de Pernambuco em 2012. Epidemiol Serv Saúde. 2015;24(3):497-506. http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742015000300015

Person FRSK. On lines and planes of closest fit to system of points in space. Phil Mag J Sci. 1901;2(11):559-72. http://dx.doi.org/10.1080/14786440109462720

James G, Witten D, Hastie T, Tibshirani R. An introduction to statistical learning: with Applications in R. London: Springer; 2013.

Departamento de Ciência e Tecnologia, Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Ministério da Saúde. Doenças negligenciadas: estratégias do Ministério da Saúde. Rev Saúde Pública. 2010;44(1):200-2. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102010000100023

Sundsvall DD. Promoção da saúde e ambientes favoráveis à saúde. III Conferência Internacional de promoção da saúde. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/declaracao_sundsvall.pdf. Acesso em: 12 jul. 2017.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Minas Gerais. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/estadosat/perfil.php?sigla=mg. Acesso em: 12 jul. 2017

Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SIAN). Doenças e agravos. Disponível em: http://portalsinan.saude.gov.br/. Acesso em: 12 jul. 2017.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Cadastro nacional de localidades. Disponível em: http://geoftp.ibge.gov.br/Organizacao/Localidades. Acesso em: 12 jul. 2017.

Jolliffe IT. Principal component analysis. 2nd ed. New York: Springer; 2002.

Kaiser HF. The application of electronic computers to factor analysis. Educat Psychol Measur. 1960;20(1):141-51.

Hair Jr JF, Black WC, Babin BJ, Anderson RE, Tatham RL. Análise multivariada de dados. Porto Alegre: Bookman, 2009.

Ladis JR, Koch GG. The measurement of observer agreement for categorical data. Biometrics. 1977;33(1):159-74. http://dx.doi.org/10.2307/2529310

World Health Organization (WHO). Working to overcome the global impact of neglected tropical diseases: first WHO report on neglected tropical diseases. Geneva: WHO, 2010.

Cattell RB. The Scree Test for the number of factors. Multivariate Behav Res. 1966;1(2):245-76. http://dx.doi.org/10.1207/s15327906mbr0102_10

Ponce-Terashima R, Koskey AM, Reis MG, McLellan SL, Blanton RE. Sources and distribution of surface water fecal contamination and prevalence of schistosomiasis in a Brazilian village. PLoS Negl Trop Dis. 2014;8(10):e3186. https://doi.org/10.1371/journal.pntd.0003186

Assaré RK, Lai YS, Yapi A, Tian-Bi YN, Ouattara M, Yao PK, et al. The spatial distribution of Schistosoma mansoni infection in four regions of western Côte d’Ivoire. Geospat Health. 2015;10(1):345. https://dx.doi.org/10.4081/gh.2015.345

Gomes ECS, Mesquita MCS, Rehn VNC, Nascimento WRC, Loyo R, Barbosa CS. Transmissão urbana da esquistossomose: novo cenário epidemiológico na Zona da Mata de Pernambuco. Rev Bras Epidemiol. 2016;19(4):822-34. http://dx.doi.org/10.1590/1980-5497201600040012

Barreto MS, Gomes ECS, Barbosa CS. Turismo de risco em áreas vulneráveis para a transmissão da esquistossomose mansônica no Brasil. Cad Saúde Pública. 2016;32(3):e00190815.http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00190815

Silva JP, Andrade M. Perfil epidemiológico da esquistossomose mansônica em Minas Gerais. Investigação. 2016;15(6).

Fonseca F, Freitas C, Dutra L, Guimarães R, Carvalho O. Spatial modeling of the schistosomiasis mansoni in Minas Gerais State, Brazil using spatial regression. Acta Trop. 2014;133:56-63. http://dx.doi.org/10.1016/j.actatropica.2014.01.015

Anjos MP, Leonardi FA, Tavares Júnior JB, Ferreira L. Planejamento urbano: o mapeamento do saneamento básico na margem esquerda do Ribeirão Pitanga ou Furnas, nos municípios de Bueno Brandão e Ouro Fino, Minas Gerais-Brasil. SBGFA Ferramenta Leitura. 2017;1:133-45. https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.1784




DOI: https://doi.org/10.7322/abcshs.v43i2.995

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Jose Paula Silva

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.