Fatores associados à autoavaliação negativa da saúde em idosos cadastrados nas Unidades Básicas de Saúde

Eliziária Cardoso dos Santos, Bárbara de Menezes Couto, Alessandra de Carvalho Bastone

Resumo


Introdução: A autoavaliação do estado de saúde pode ser considerada um preditor  significante e independente de funcionalidade e morbimortalidade em idosos. Objetivo: Verificar a associação de indicadores sociodemográficos, de saúde e funcionalidade com a autoavaliação negativa da saúde (AANS) em idosos. Métodos: Estudo transversal, com uma amostra estratificada de idosos comunitários do município de Diamantina (MG), Brasil. Para avaliar a AANS e as variáveis sociodemográficas, de saúde e funcionalidade foi utilizado o Questionário BOAS – Brazil Old Age Schedule. Os testes Timed up & go e Functional reach foram aplicados para avaliar funcionalidade e risco de quedas, respectivamente.  Para as análises univariadas utilizou-se o teste Qui-Quadrado de Pearson e o teste Qui-Quadrado de tendência linear (p ≤ 0,20). As análises múltiplas foram realizadas por meio de três modelos de regressão logística (p ≤ 0,05). Resultados: 401 idosos participaram deste estudo. As variáveis que apresentaram associação significativa com a AANS foram: idade de 80 anos e mais (OR=1,81; IC95%=1,06-3,08), recurso financeiro insuficiente (OR=2,43; IC95%=1,55-3,78), histórico de quedas (OR=3,24; IC95%=1,71-6,14), hipertensão (OR=3,27; IC95%=1,37-7,81), doença neurológica (OR=2,36; IC95%=1,18-4,71), doença osteomioarticular (OR=2,18; IC95%=1,26-3,78), depressão (OR=3,87; IC95%=1,88-7,75), tempo de doença > 12 anos (OR=2,13; IC95%=1,12-4,03), uso de prótese dentária (OR=0,50; IC95%=0,28-0,89), tempo ≥ 10 segundos para realização do Timed up & go (OR=2,54; IC95%=1,62-3,10), incapacidade em 2 ou mais atividades de vida diária (OR=1,86; IC95%=1,17-2,95) e autorrelato de sentir menos energia (OR=2,60; IC95%=1,57-4,31). Conclusão: A AANS está associada a fatores sociodemográficos, de saúde e funcionalidade, indicando a necessidade de um cuidado integral à saúde do idoso.

 


Palavras-chave


autoavaliação; idoso fragilizado; doença crônica; idoso; monitoramento epidemiológico; assistência integral à saúde do idoso

Texto completo:

PDF

Referências


Sander M, Oxlund B, Jespersen A, Krasnik A, Mortensen EL, Westendorp RGJ, et al. The challenges of human population ageing. Age Ageing. 2015;44(2):185-7. http://dx.doi.org/10.1093/ageing/afu189

Pinto RBR, Bastos LC. Abordagem das pesquisas em epidemiologia aplicada à gerontologia no Brasil: revisão da literatura em periódicos, entre 1995 e 2005. Rev Bras Epidemiol. 2007;10(3):361-9. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-790X2007000300007

Geue C, Briggs A, Lewsey J, Lorgelly P. Population ageing and health care expenditure projections: new evidence from a time to death approach. Eur J Health Econ. 2014;15(8):885-96. http://dx.doi.org/10.1007/s10198-013-0543-7

Beard JR, Bloom DE. Towards a comprehensive public health response to population ageing. Lancet. 2015;385(9968):658-61. http://dx.doi.org/10.1016/S0140-6736(14)61461-6

Pimenta FA, Amaral CS, Torres HG, Rezende N. Autopercepção do estado de saúde em reformados e sua associação com o uso de serviços de saúde. Acta Med Port. 2010;23(1):101-6.

Pagotto V, Bachion MM, Silveira EA. Autoavaliação da saúde por idosos brasileiros: revisão sistemática da literatura. Rev Panam Salud Publica. 2013;33(4):302-10. http://dx.doi.org/10.1590/S1020- 49892013000400010

Bruin A, Picavet HSJ, Nossikov A. Health interview surveys: toward international harmonization of methods and instruments. Copenhagen: WHO; 1996.

DeSalvo KB, Bloser N, Reynolds K, He J, Muntner P. Mortality prediction with a single general self-rated health question. A meta-analysis. J Gen Intern Med. 2006; 21(3):267-75. http://dx.doi.org/10.1111/j.1525-1497.2005.00291.x

Peres MA, Masiero AV, Longo GZ, Rocha GC, Matos IB, Najnie K, et al. Auto-avaliação da saúde em adultos no Sul do Brasil. Rev Saúde Pública. 2010;44(5):901-11. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102010000500016

Jóia LC, Ruiz T, Donalísio MR. Grau de satisfação com a saúde entre idosos do município de Botucatu, Estado de São Paulo, Brasil. Epidemiol Serv Saúde. 2008;17(3):187-9. http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742008000300004

Freitas DHM, Campos FCA, Linhares LQ, Santos CR, Ferreira CB, Diniz BS, et al. Autopercepção de saúde e desempenho cognitivo em idosos residentes na comunidade. Rev Psiquiatr Clín. 2010;37(1):32-5.http://dx.doi.org/10.1590/S0101-60832010000100007

Minas Gerais. Mais Noticias. Minas Gerais é o único do Sudeste com municípios com alta vulnerabilidade social. Disponível em: https://www.em.com.br/app/noticia/gerais/2015/09/01/interna_gerais,684109/minas-gerais-e-o-unico-do-sudeste-com-municipios-com-alta-vulnerabilid.shtml. Acesso em: 01 nov. 2017

Veras RP, Souza CAM, Cardoso RF, Milioli R, Silva SD. Pesquisando populações idosas: a importância do instrumento e o treinamento de equipe: uma contribuição metodológica. Rev Saúde Pública. 1988;22(6):513-8. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89101988000600008

Podsiadlo D, Richardson S. The timed “up & go”: a test of basic functional mobility for frail elderly persons. J Am Geriatr Soc. 1991;39(2):142-8. http://dx.doi.org/10.1111/j.1532-5415.1991.tb01616.x

Fleming KC, Evans JM, Weber DC, Chutka DS. Pratical functional assessment of elderly persons: a primary-approach. Mayo Clin Proc. 1995;70(9):890-910. http://dx.doi.org/10.1016/S0025-6196(11)63949-9

Bertolucci PHF, Brucki SMD, Campacci SR, Juliano Y. O Mini-Exame do Estado Mental em uma população geral: impacto da escolaridade. Arq Neuro-Psiquiatr. 1994;52(1):1-7. http://dx.doi.org/10.1590/S0004-282X1994000100001

Lima LCV, Bueno CMLB. Envelhecimento e gênero: a vulnerabilidade de idosas no Brasil. Rev Saúde Pesq. 2009;2(2):273-80.

Serbim AK, Figueiredo AEPL. Qualidade de vida de idosos em um grupo de convivência. Scientia Med. 2011;21(4):166-72.

Geib LTC. Determinantes sociais da saúde do idoso. Ciênc Saúde Coletiva. 2012; 17(1):123 33. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232012000100015

Almeida VA, Mafra SCT, Silva EP, Kanso S. A Feminização da velhice: em foco as características socioeconômicas, pessoais e familiares das idosas e o risco social. Textos Contextos. 2015;14(10):115-31. http://dx.doi.org/10.15448/1677-9509.2015.1.19830

Soares MRP, Istoe RSC. Alfabetização e inclusão de pessoas idosas: uma proposta interdisciplinar mediada pelas tecnologias da informação e da comunicação. Rev Cient Interd. 2015;2(3):165-75.http://dx.doi.org/10.17115/2358-8411/v2n3a17

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Pesquisa nacional por amostra de domicílios. síntese de indicadores sociais, 2015. Disponível em: http://ndonline.com.br/uploads/global/materias/ 2015/12/04-12-2015-02-58-43-pesquisa-ibge.pdf. Acesso em: 18 jul. 2016.

Neri AL, Yassuda MS, Araújo LF, Eulálio MC, Cabral BE, Siqueira MEC, et al. Metodologia e perfil sociodemográfico, cognitivo e de fragilidade de idosos comunitários de sete cidades brasileiras: Estudo FIBRA. Cad Saúde Pública. 2013; 29(4):778-92. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2013000400015

Alves LC, Rodrigues RN. Determinantes da autopercepção de saúde entre idosos do Município de São Paulo, Brasil. Rev Panam Saúde Pública. 2005;17(5-6):333-41. http://dx.doi.org/10.1590/S1020-49892005000500005

Wickrama K, Mancini JA, Kwag K, Kwon J. Heterogeneity in multidimensional health trajectories of late old years and socioeconomic stratification: a latent trajectory class analysis. J Gerontol B Psychol Sci Soc Sci. 2013;68(2):290-7. http://dx.doi.org/10.1093/geronb/gbs111

Silva RJS, Smith-Menezes A, Tribess S, Rómo-Perez V, Virtuoso Júnior JS. Prevalência e fatores associados à percepção negativa da saúde em pessoas idosas no Brasil. Rev Bras Epidemiol. 2012;15(1):49-62.http://dx.doi.org/10.1590/S1415-790X2012000100005

Nunes APN, Barreto SM, Gonçalves LG. Relações sociais e autopercepção da saúde: Projeto Envelhecimento e Saúde. Rev Bras Epidemiol. 2012;15(2):415-28. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-790X2012000200019

Borim FSA, Neri AL, Francisco PMSB, Barros MBA. Dimensões da autoavaliação de saúde em idosos. Rev Saúde Pública. 2014;48(5):714-22. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-8910.2014048005243

Belém PLO, Melo RLP, Pedraza DF, Menezes TN. Autoavaliação do estado de saúde e fatores associados em idosos cadastrados na Estratégia Saúde da Família de Campina Grande, Paraíba. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2016;19(2):265-76. http://dx.doi.org/10.1590/1809-98232016019.140206

Pagotto V, Nakatani AYK, Silveira EA. Fatores associados à autoavaliação de saúde ruim em idosos usuários do Sistema Único de Saúde. Cad Saúde Pública. 2011;27(8):1593-602. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2011000800014

Borim FSA, Barros MBA, Neri AL. Autoavaliação da saúde em idosos: pesquisa de base populacional no município de Campinas, São Paulo, Brasil. Cad Saúde Pública 2012;28(4):769-80. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2012000400016

Batistoni SST, Prestes SM, Cachioni M, Falcão DVS, Lopes A, Yassuda MS, et al. Categorização e identificação etária em uma amostra de idosos brasileiros residentes na comunidade. Psicol Reflex Crít. 2015;28(3):511-21.

Alves LC. Determinantes da autopercepção de saúde dos idosos do município de São Paulo, 1999/2000. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte: 2004.

Keyes CL, Westerhof GJ. Chronological and subjective age differences in flourishing mental health and major depressive episode. Aging Ment Health. 2012;16(1):67-74. http://dx.doi.org/10.1080/ 13607863. 2011. 596811

Martinez DJ, Kasl SV, Gill TM, Barry LC. Longitudinal association between self-rated health and timed gait among older persons. J Gerontol B Psychol Sci Soc Sci. 2010;65(6):715-9. http://dx.doi.org/10.1093/geronb/gbp115

Pinto LLT, Leal Neto JS, Rocha SV, Vasconcelos LRC, Santos MC, Silva DAS. Indicadores de saúde entre idosos ativos e insuficientemente ativos residentes em áreas rurais. Rev Med (Ribeirão Preto) 2015;48(6):580-8.http://dx.doi.org/10.11606/issn.2176-7262.v48i6p580-588

Pinho TAM, Silva AO, Tura LFR, Silva MA, Gurgel SN, Smith AZF, et al. Avaliação do risco de quedas em idosos atendidos em Unidade Básica de Saúde. Rev Esc Enferm USP. 2012;46(2):320-7. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342012000200008




DOI: https://doi.org/10.7322/abcshs.v43i1.999

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Eliziária Santos, Bárbara Couto, Alessandra Bastone

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.