Valores de referência de medidas de pico de fluxo expiratório máximo em escolares

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Cristina de Matos Boaventura
Fernanda Ferreira Amuy
Janielle Helena Franco
Maria Eugênia Sgarbi
Lúcio Boaventura de Matos
Lucas Boaventura de Matos

Resumo

A avaliação da função pulmonar nas doenças obstrutivas é importante tanto para quantificar o grau de obstrução das vias aéreas quanto para avaliar a evolução funcional paralela às informações obtidas através do exame físico do paciente. Atualmente, há diversos testes para avaliar aspectos relacionados à função pulmonar, entre eles a avaliação do pico de fluxo expiratório máximo. O medidor Wright é um pequeno aparelho portátil feito de material plástico, de fácil manejo e compreensão, baixo custo, utilizado para medir o pico de fluxo expiratório máximo (PFE), indicador da função pulmonar. É utilizado também como parâmetro de melhora no tratamento do paciente. O estudo apresenta tabelas contendo valores ao pico de fluxo expiratório obtidos com medidor Wright em 1.024 escolares saudáveis com idade entre 12 a 18 anos oriundos da rede pública estadual de ensino, localizada em uma área central das cidades de Uberlândia e Araguari. As equações de regressão calculadas e a média para PFE foram, respectivamente, para o sexo masculino: 295,75 x altura + (24,96 x Idade) – 478,24; 346,12 1/min e para sexo feminino: 212,82 x altura + (5,93 x Idade) – 131,81; 300,24 1/min.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Seção
Artigos

Referências

1. West JB. Fisiologia respiratória moderna. 5ª ed. São Paulo: Manole; 1996.

2. Irwin S, Tecklin JS. Fisioterapia cardiopulmonar. 2ª ed. São Paulo: Manole; 1994.

3. Feltrim MIZ, Sardim JRB. Fisiologia muscular respiratória. In: Amaral CA, Júnnior C. Assistência ventilatória mecânica. São Paulo: Atheneu; 1995, cap. 2, p. 25-39.

4. Barnes PJ. Circadian Variation in Airway Function. Am J Med 1985;79(Suppl 6Ap):5-9.

5. Fritscher CC, Kahan F, Zetler E. Um guia para orientação de pacientes asmáticos. Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia. Disponível em: http://www.sbpt.org.br/~rsp. Acesso em 20 de março de 2007.

6. Fritscher CC, Martins FP, Kahan F et al. Pico de fluxo expiratório em escolares de Porto Alegre (RS): proposta para valores de referência. Rev Med PUC-RS 1996;6:19-23.

7. Graff-Lonnevig V, Harfi H, Tipirneni P. Peak expiratory flow rates in healthy Saudi Arabian children living in Riyadh. Annalys of Allreg 1993;71:446-50.

8. Tsanakas JN, Primhah RA, Milner RDG et al. Unexpectedly high peak expiratory flow rates in normal Greek children. Eur J Pediatr 1983;141:46-9. http://dx.doi.org/10.1007/BF00445668

9. Wall MA, Olson D, Bonn BA, Creelman T, Buist AS. Lung function in North American Indian children: reference standards for spirometry, maximal expiratory flow volume curves, and peak expiratory flow. Am Rev Respir Dis 1982;125:158-62.

10. Siersted HC, Hansen HS, Hansen NC et al. Evaluation of peak expiratory flow variability in an adolescent population sample. Am J Respir Crit Care Med 1994;149:598-603. http://dx.doi.org/10.1164/ajrccm.149.3.8118624