Mobilidade internacional na graduação em medicina: relato de experiência

Iago Gonçalves Ferreira, Luciana Brandão Carreira, Nara Macedo Botelho

Resumo


Introdução: A mobilidade acadêmica nas universidades apresenta-se como uma ferramenta para a internacionalização do ensino superior brasileiro, promovendo a inserção dos estudantes universitários em diferentes contextos culturais e educacionais, agregando tanto novos conhecimentos teóricos como habilidades sociais e linguísticas. Relato de experiência: Este artigo trata‑se de um relato de experiência de um estudante de medicina viabilizado pelo programa de mobilidade internacional Ciência Sem Fronteiras, realizado no curso de Promoção da Saúde do Waterford Institute of Technology, na cidade de Waterford, Irlanda, no período de setembro de 2014 a julho de 2015. O relato apresenta as atividades acadêmicas desenvolvidas na instituição, bem como analisa a contribuição dos programas de intercâmbio para a graduação médica. Conclusão: A mobilidade internacional pode representar um importante instrumento para a formação médica, pois estimula o amadurecimento profissional e pessoal dos estudantes, ao expô‑los a um cenário diferenciado, no qual são incitados a refletir sobre suas práticas e seu conhecimento, ao se deparar com o novo e o diferente. Tais contribuições podem representar o aprimoramento das habilidades médicas e humanísticas dos graduandos, configurando-se como um avanço para o ensino médico no Brasi.


Palavras-chave


educação médica; educação de graduação em medicina; estudantes de medicina; intercâmbio educacional internacional

Texto completo:

PDF

Referências


Stallivieri L. O processo de internacionalização nas instituições de ensino superior. Rev Cons Reit Universid Bras. 2002;24(48):35-57.

Lima MC, Maranhão CMSA. Políticas curriculares da internacionalização do ensino superior: multiculturalismo ou semiformação. Ensaio: Aval Pol Públ Educ. 2011;19(72):575-98. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-40362011000400007

Costa BEP, Hentschke MR, Silva ACC, Barros A, Salerno M, Polide-Figueiredo CE, et al. Reflexões sobre a importância do currículo informal do estudante de medicina. Sci Medica. 2012;22(3):162-8.

Oliveira MG, Pagliuca LMF. Programa de mobilidade acadêmica internacional em enfermagem: relato de experiência. Rev Gaúcha Enferm. 2012;33(1):195-8. http://dx.doi.org/10.1590/S1983-14472012000100026

Dalmolin IS, Pereira ER, Silva RMCRA, Gouveia MJB, Sardinheiro JJ. Intercâmbio acadêmico cultural internacional: uma experiência de crescimento pessoal e científico. Rev Bras Enferm. 2013;66(3):442. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672013000300021

Brasil. Ministério da Educação e Ministério da Ciência e Tecnologia. O Programa Ciência sem Fronteiras. Disponível em: http://www.cienciasemfronteiras.gov.br/web/csf/o-programa. Acesso em: 16 jan. 2016.

Lourenço I. Intercâmbio é o novo recurso da Iniciação Científica. 2012-2013. Disponível em: http://www.ufjf.br/revistaa3/files/2013/10/52.pdf. Acesso em: 16 jun. 2016.

Central Statistics Office (CEO). Census 2011: Ireland and Northern Ireland. Northern Ireland Statistics and Research Agency. 2014;9-13.

Silva RMCRA, Pereira ER, Santo FHE, Silva MA. Cultura, saúde e enfermagem: o saber, o direito e o fazer crítico-humano. Rev Eletrônica Enferm. 2008;10(4):1165-71.

Fior CA, Mercuri E. Formação universitária e flexibilidade curricular: importância das atividades obrigatórias e não obrigatórias. Psicol Educ. 2009;29:191-215.

Jacobs F, Stegmann K, Siebeck M. Promoting medical competencies through international exchange programs: benefits on communication and effective doctor-patient relationships. BMC Med Educ. 2014;14:43. http://dx.doi.org/10.1186/1472-6920-14-43

Chehuen Neto JA, Sirimarco MT, Cândido TC, Ferreira IA, Campos RCF, Martins SC. Students’ perspectives on the parallel curriculum in medical schools. Rev Méd Minas Gerais. 2013;23(4):467-78. http://dx.doi.org/10.5935/2238-3182.20130073

Rowson M, Smith A, Hughes R, Johnson O, Maini A, Martin S, et al. The evolution of global health teaching in undergraduate medical curricula. Global Health. 2012;8:35. http://dx.doi.org/10.1186/1744-8603-8-35

Guedes HTV, Guedes JC. Avaliação, pelos estudantes, da atividade “Trabalho de Conclusão de Curso” como integralização do eixo curricular de iniciação à pesquisa científica em um curso de medicina. Rev Bras Educ Med. 2012;36(2):162-71. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-55022012000400003

Lindley J, McCall L, Abu-Arab A. Visitor or inhabitant? Addressing the needs of undergraduate transnational medical students. J Studies Int Educ. 2013;17(1):79-96. http://dx.doi.org/10.1177/1028315311431894




DOI: https://doi.org/10.7322/abcshs.v42i2.1013

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Iago Gonçalves Ferreira, Luciana Brandão Carreira, Nara Macedo Botelho

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.