Medical education: the historical framing of medical curriculum and the challenges of renewal in the 21st century

Main Article Content

Iago Gonçalves Ferreira
http://orcid.org/0000-0002-4695-1982
Márcia Rosa da Costa
Silvio César Cazella

Abstract

The study proposes a critical and exploratory analysis of the historical formation of the medical curriculum, including the pedagogical models and contemporary challenges. Contemporary Medicine has faced challenging transformations in the 21st century, such as population aging, technological and scientific advances, epidemiological transition, wide access to informationby society. The knowledge society requires new generations of physicians to develop interdisciplinary professional skills and the technical-scientific domain. Given the ongoing transformations in contemporary medical practice, it is up to the academic community to deconstruct obsolete teaching paradigms, to foster the design of new pedagogical practices, congruent with the new medical profile desired in the 21st century.

Downloads

Download data is not yet available.

Article Details

How to Cite
Ferreira, I. G., Costa, M. R. da, & Cazella, S. C. (2022). Medical education: the historical framing of medical curriculum and the challenges of renewal in the 21st century. ABCS Health Sciences, 47, e022304. https://doi.org/10.7322/abcshs.2020180.1626
Section
Review Articles
Author Biographies

Iago Gonçalves Ferreira, Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA) – Porto Alegre (RS), Brazil

Médico residente em Dermatologia na Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre - Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre. Mestrando em Ensino na Saúde na Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre.

Médico graduado pela Universidade do Estado do Pará, com período de graduação sanduíche em Promoção de Saúde no Waterford Institute of Technology. Residência em Medicina de Família e Comunidade pela Escola de Saúde Pública de Florianópolis (2017-2019). 

Márcia Rosa da Costa, Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA) – Porto Alegre (RS), Brazil

Professora do Programa de Pós-graduação em Ensino na Saúde da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre.

Pró-reitora de Graduação da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre.

Graduação em Pedagogia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1993), Mestrado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2000) e Doutorado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2008). 

Silvio César Cazella, Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA) – Porto Alegre (RS), Brazil

Professor Associado - Nível I na Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre. Professor efetivo do Programa de Pós-Graduação em Ensino na Saúde (UFCSPA), Professor efetivo do Programa de Pós-Graduação em Tecnologias da Informação e Gestão em Saúde (UFCSPA) , colaborador do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Saúde (UFCSPA) e colaborador do Programa de Pós-Graduação em Informática na Educação (UFRGS).

Graduado em Informática pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul em 1993.  Mestre em Ciência da Computação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul em 1997. Doutorado em Ciência da Computação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul em 2006, tendo realizado doutorado "sanduiche" na Universidade de Alberta no Canadá. 

References

1. Miranda-Sá Júnior LS. Uma introdução à medicina: o médico. Vol. 1. Brasília: Conselho Federal de Medicina, 2013.

2. Boas LMV, Daltro MR, Garcia CP, Menezes MS. Educação médica: desafio da humanização na formação. Saude Redes. 2017;3(2):172-82. http://dx.doi.org/10.18310/2446- 4813.v3n2p172-182

3. Khay-Guan Y. The future of medical education. Singapore Med J. 2019;60(1):3-8. http://doi.org/10.11622/smedj.2019003

4. Jason H. Future medical education: Preparing, priorities, possibilities. Med Teach. 2018;40(10):996-1003. https://doi.org/10.1080/0142159X.2018.1503412

5. Custers EJFM, Cate OT. The History of Medical Education in Europe and the United States, Concerning Time and Proficiency. Acad Med. 2018;93(3S): S49-54. https://doi.org/10.1097/ACM.0000000000002079

6. Almeida Filho N. Reconhecer flexner: inquérito sobre produção de mitos na educação médica no Brasil contemporâneo. Cad Saude Publica. 2010;26(12):2234-49. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2010001200003

7. Nogueira MI. As mudanças na educação médica brasileira em perspectiva: reflexões sobre a emergência de um novo estilo de pensamento. Rev Bras Educ Med. 2009;33(2):262-70. https://doi.org/10.1590/S0100-55022009000200014

8. Emanuel EJ. Reforming American Medical Education. Milbank Q. 2017;95(4):692-7. https://doi.org/10.1111/1468-0009.12291

9. Neves NMBC, Neves FBCS, Bitencourt AGV. O ensino médico no Brasil: origens e transformações. Gaz Med Bahia. 2005;75(2):162-8.

10. Fávero MLA. A Universidade no Brasil: das origens à Reforma Universitária de 1968. Educ Rev. 2006;28(1976):17-36. https://doi.org/10.1590/S0104-40602006000200003

11. Machado CDB, Wuo A, Heinzle M. Educação Médica no Brasil: uma análise histórica sobre a formação acadêmica e pedagógica. Rev Bras Educ Med. 2018;42(4):66-73. https://doi.org/10.1590/1981-52712015v42n4rb20180065

12. Costa NMSC. Docência no ensino médico: por que é tão difícil mudar? Rev Bras Educ Med. 2007;31(1):21-30. https://doi.org/10.1590/S0100-55022007000100004

13. Brasil. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução CNE/CES no4 de 7 de novembro de 2001. Institui diretrizes curriculares nacionais do curso de graduação em Medicina. Available from: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES04.pdf.

14. Brasil. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução CNE/CES no 3 de 20 de junho de 2014. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina. Available from: http://portal.mec.gov.br/conaes-comissao-nacional-de-avaliacao-da-educacao-superior/323-secretarias-112877938/orgaos-vinculados-82187207/20138-ces-2014.

15. Frenk J, Chen L, Bhutta ZA, Cohen J, Crisp N, Evans T, et al. Health professionals for a new century: transforming education to strengthen health systems in an interdependent world. Lancet. 2010;376(9756):1923-58. https://doi.org/10.1016/S0140-6736(10)61854-5

16. Ferreira IG, Carreira LB, Botelho NM, Souza LEA de. Atividades extracurriculares e formação médica: diversidade e flexibilidade curricular. Interdiscip J Health Educ. 2016;1(2):114-24. http://doi.editoracubo.com.br/10.4322/ijhe.2016.022

17. World Federation for Medical Education (WFME). Basic Medical Education WFME Global Standards for Quality Improvement: the 2020 revision [Internet]. 2020. Available from: https://wfme.org/wp-content/uploads/2020/12/WFME-BME-Standards-2020-1.pdf

18. Carabetta Jr V. Metodologia ativa na educação médica. Rev Med. 2016;95(3):113-21. https://doi.org/10.11606/issn.1679-9836.v95i3p113-121

19. Ferreira IG, Carreira LB, Murphy N, Soares ACB, Fonseca PCC, Sousa LEA. Extracurricular activities: a comparative perspective among health colleges in Brazil and Ireland. ABCS Health Sci. 2018;43(2):97-103. http://dx.doi.org/10.7322/abcshs.v43i2.1080

20. Silva TT. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. 3.ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

21. Aguilar-da-Silva RH, Perim GL, Abdalla IG, Costa NMSC, Lampert JB, Stella RCR. Abordagens pedagógicas e tendências de mudanças nas escolas médicas. Rev Bras Educ Med. 2009;33(suppl 1):53-62. https://doi.org/10.1590/S0100-55022009000500006

22. Garcia MBO, Oliveira MM, Plantier AP. Interatividade e mediação na prática de metodologia ativa: o uso da instrução por colegas e da tecnologia na educação médica. Rev Bras Educ Med. 2019;43(1):87-96. https://doi.org/10.1590/1981-52712015v43n1rb20180154

23. Behar PA. Competências em educação a distância. Porto Alegre: Penso, 2013.

24. Behar PA, Silva KKA. Mapeamento de competências: um foco no aluno da educação a distância. Rev Renote. 2012;10(3). https://doi.org/10.22456/1679-1916.36395

25. Litto FM, Guibert AAP, Fernandez CT, Palange I, Depresbiteris L. Competências para educação a distância: Matrizes e referenciais teóricos. São Paulo: ABED, 2012.

26. Paulino DB, Martins CCA, Raimondi GA, Hattori WT. WhatsApp® como recurso para a educação em saúde: contextualizando teoria e prática em um novo cenário de ensino-aprendizagem. Rev Bras Educ Med. 2018;42(1):171-80. https://doi.org/10.1590/1981-52712018v42n1rb20170061

27. World Health Organization (WHO). Telemedicine: opportunities and developments in the Member States: report on the second global survey on eHealth. Genebra: WHO, 2010.

28. Ferreira IG, Godoi DF, Perugini ER, Lancini AB, Zonta R. Teledermatologia: uma interface entre a atenção primária e atenção especializada em Florianópolis. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2019;14(41):e2003. https://doi.org/10.5712/rbmfc14(41)2003

29. Lobo LC. Inteligência artificial, o Futuro da Medicina e a Educação Médica. Rev Bras Educ Med. 2018;42(3):3-8. https://doi.org/10.1590/1981-52712015v42n3rb20180115editorial1

30. Topol E. Deep Medicine: how artificial intelligence can make healthcare human again. New York: Basic Books, 2019.

31. Barreto NAP, Xavier AREO, Sonzogno MC. Percepção de tutores quanto a sua avaliação pelos discentes de um curso médico. Rev Bras Educ Med. 2018;42(1):57-66. https://doi.org/10.1590/1981-52712015v42n1rb20160026

32. Alves LR, Giacomini MA, Teixeira VM, Henriques SH, Chaves LDP. Reflexões sobre a formação docente na pós-graduação. Esc Anna Nery. 2019;23(3):e20180366. https://doi.org/10.1590/2177-9465-ean-2018-0366

33. Perim GL, Abdala IG, Aguilar-da- Silva RH, Lampert JB, Stella RCR, Costa NMSC. Desenvolvimento Docente e a Formação de Médicos. Rev Bras Educ Med. 2009;33(Suppl 1):70-82. https://doi.org/10.1590/S0100-55022009000500008

34. Scheffer M, Cassenote A, Guilloux AGA, Biancarelli A, Miotto BA, Mainardi GM. Demografia médica no Brasil 2018. São Paulo: Conselho Federal de Medicina, 2018.

35. Pelaccia T, Viau R. Motivation in medical education. Med Teach. 2017;39(2):136-40. https://doi.org/10.1080/0142159X.2016.1248924

36. Buja LM. Medical education today: All that glitters is not gold. BMC Med Educ. 2019;19(110). https://doi.org/10.1186/s12909-019-1535-9

37. Batista NA. Desenvolvimento docente na area de saúde: uma análise. Trab Educ Saude. 2005;3(2):283-94.
https://doi.org/10.1590/S1981-77462005000200003

38. Almeida EG, Batista NA. Desempenho docente no contexto PBL: essência para aprendizagem e formação médica. Rev Bras Educ Med. 2013;37(2):192-201.

39. Almeida MTC, Batista NA. Ser docente em métodos ativos de ensino-aprendizagem na formação do médico. Rev Bras Educ Med. 2011;35(4):468-76. https://doi.org/10.1590/S0100-55022011000400005

40. Brauer DG, Ferguson KJ. The integrated curriculum in medical education: AMEE Guide no. 96. Med Teach. 2015;37(4):312-22. https://doi.org/10.3109/0142159X.2014.970998