Perception of people undergoing kidney transplantation about organ donation

Main Article Content

Bianca Pozza dos Santos
Aline da Costa Viegas
Elaine Amaral de Paula
Fernanda Lise
Luiza Pereira Vargas Rodrigues
Paulo Roberto Boeira Fuculo Júnior
Eda Schwartz

Abstract

Introduction: Chronic kidney disease has high prevalence and morbidity/mortality in the Brazil and in the world, being responsible for social, economic and quality of life losses. Among the modalities of renal substitutive therapy, the transplantation is considered the best treatment because it presents lower cost, provides higher quality of life and increased survival. However, the realization of a transplant is possible only from the donation of an organ. Objective: To know the perceptions of people undergoing kidney transplantation about the organ donation. Methods: Descriptive and qualitative study, in which 20 people with renal transplantation participated. The analysis of the data followed the phases: ordering, classification of data and final analysis. Results: The data present the manifestation about the need of organ donation, being encouraged by media promotion, although only the family can take the option for donation when it comes with the death of a loved one, the question of the compatibility of the organ for the recipient, the effort to be able to realize the donation and to recommence the life. Conclusion: For the participants the donation of organs, especially the kidney, consists of a positive event in the life of the person which receives the renal graft. And with the realization of the dream of being transplanted, there is a rebirth to continue life.

Downloads

Download data is not yet available.

Article Details

How to Cite
Santos, B. P. dos, Viegas, A. da C., Paula, E. A. de, Lise, F., Rodrigues, L. P. V., Fuculo Júnior, P. R. B., & Schwartz, E. (2018). Perception of people undergoing kidney transplantation about organ donation. ABCS Health Sciences, 43(1). https://doi.org/10.7322/abcshs.v43i1.928
Section
Original Articles
Author Biographies

Bianca Pozza dos Santos, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, Universidade Federal de Pelotas (UFPel) - Pelotas (RS)./Núcleo de Condições Crônicas e suas Interfaces (NUCCRIN) - Pelotas (RS)

Enfermeira, Mestra em Ciências

Aline da Costa Viegas, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, Universidade Federal de Pelotas (UFPel) - Pelotas (RS)./Núcleo de Condições Crônicas e suas Interfaces (NUCCRIN) - Pelotas (RS)

Enfermeira, Mestra em Ciências

Elaine Amaral de Paula, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, Universidade Federal de Pelotas (UFPel) - Pelotas (RS)./Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) – Juiz de Fora (MG)

Enfermeira, Mestra em Enfermagem

Fernanda Lise, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, Universidade Federal de Pelotas (UFPel) - Pelotas (RS). /Núcleo de Condições Crônicas e suas Interfaces (NUCCRIN) - Pelotas (RS). /4Departamento de Enfermagem Pediátrica, UFPel - Pelotas (RS)

Enfermeira, Mestra em Ciências

Luiza Pereira Vargas Rodrigues, Núcleo de Condições Crônicas e suas Interfaces (NUCCRIN) - Pelotas (RS). /Curso de Enfermagem, Faculdade de Enfermagem UFPel - Pelotas (RS)

Acadêmica de enfermagem

Paulo Roberto Boeira Fuculo Júnior, Núcleo de Condições Crônicas e suas Interfaces (NUCCRIN) - Pelotas (RS). /Curso de Enfermagem, Faculdade de Enfermagem UFPel - Pelotas (RS)

Acadêmico de enfermagem

Eda Schwartz, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, Universidade Federal de Pelotas (UFPel) - Pelotas (RS)./Núcleo de Condições Crônicas e suas Interfaces (NUCCRIN) - Pelotas (RS)

Docente de enfermagem

References

1. Kindney Diseases Improving Global Outcomes (KDIGO). KDIGO 2012 Clinical practice guideline for the evaluation and management of chronic kidney disease. Chapter 1: definition and classification of CKD. Kidney Int Suppl. 2013;3(1):19-62.

2. Sesso RC, Lopes AA, Thomé FS, Lugon JR, Martins CT. Inquérito brasileiro de diálise crônica 2014. J Bras Nefrol. 2016;38(1):54-61.http://dx.doi.org/10.5935/0101-2800.20160009

3. Middleton JP, Pun PH. Hypertension, chronic kidney disease, and the development of cardiovascular risk: a joint primacy. Kidney Int. 2010;77(9):753-5. http://dx.doi.org/10.1038/ki.2010.19

4. Garcia GG, Harden P, Chapman J. O papel global do transplante renal. J Bras Nefrol. 2012;34(1):1-7. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-28002012000100001

5. Medina-Pestana JO, Galante NZ, Tedesco-Silva Jr H, Harada KM, Garcia VD, Abbud-Filho M, et al. O contexto do transplante renal no Brasil e sua disparidade geográfica. J Bras Nefrol. 2011;33(4):472-84.http://dx.doi.org/10.1590/S0101-28002011000400014

6. Brasil. Ministério da Saúde. Coordenação geral do sistema nacional de transplantes [Internet]. Rim. Disponível em: http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/o-ministerio/principal/ secretarias/366-sas-raiz/dahu-raiz/transplantes-raiz/transplantes/ 21641-rim. Acesso em: 29 nov. 2016.

7. Mendonça AEO, Torres GV, Salvetti MG, Alchieri JC, Costa IKF. Mudanças na qualidade de vida após transplante renal e fatores relacionados. Acta Paul Enferm. 2014;27(3):287-92.http://dx.doi.org/10.1590/1982-0194201400048

8. Morais TR, Morais MR. Doação de órgãos: é preciso educar para avançar. Saude Debate. 2012;36(95):633-9. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-11042012000400015

9. Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 12ed. São Paulo: Hucitec; 2012.

10. Portal Brasil. Ministério da Saúde. Saiba quais são os critérios da lista de espera por transplantes [Internet]. Doação de órgãos. Disponível em: http://www.brasil.gov.br/saude/2016/09/saiba-quais-sao-os-criterios-da-lista-de-espera-por-transplantes. Acesso em: 10 nov. 2016.

11. Machado EL, Gomes IC, Assis Acurcio F, César CC, Mattos Almeida MC, Cherchiglia ML. Fatores associados ao tempo de espera e ao acesso ao transplante renal em Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Cad Saúde Pública. 2012;28(12):2315-26. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2012001400010

12. Westphal GA, Garcia VD, Souza RLD, Franke CA, Vieira KD, Birckholz VRZ, et al. Diretrizes para avaliação e validação do potencial doador de órgãos em morte encefálica. Rev Bras Ter Intensiva. 2016;28(3):220-55.http://dx.doi.org/10.5935/0103-507X.20160049

13. Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos (ABTO). Transplantes de rim. Registro Bras Transplantes. 2015;22(2):6.

14. Portal Brasil. Ministério da Saúde [Internet]. Campanha sobre doação de órgãos destaca história de atletas transplantados. Disponível em: http://www.brasil.gov.br/saude/2015/10/campanha-de-doacao-de-orgaos-traz-historias-de-atletas-transplantados. Acesso em: 9 ago. 2016.

15. Aliança Brasileira pela Doação de Órgãos e Tecidos (ADOTE) [Internet]. Notícias. Governo Federal lança campanha para a doação de órgãos. Disponível em: http://www.adote.org.br/noticias/governo-federal-lanca-campanha-para-doacao-de-orgaos. Acesso em: 30 nov. 2016.

16. Kurtz CTL, Weber BT, Quintana AM, Castro EK. Doação de órgãos: um estudo em representações sociais na saúde. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Santa Maria. Santa Maria: 2012.

17. Portal Brasil. Ministério da Saúde [Internet]. Informe-se sobre o processo de doação de órgãos e tecidos. Disponível em: http://www.brasil.gov.br/saude/2009/11/informe-se-sobre-o-processo-de-doacao-de-orgaos-e-tecidos. Acesso em: 02 dez. 2016.

18. Sociedade Brasileira de Nefrologia. Tratamentos: transplante renal [Internet]. Disponível em: http://sbn.org.br/publico/tratatamentos/ transplante-renal. Acesso em: 02 dez. 2016.

19. Cruz MGS, Daspett C, Roza BA, Ohara CVS, Horta ALM. Vivência da família no processo de transplante de rim de doador vivo. Acta Paul Enferm. 2015;28(3):275-80. http://dx.doi.org/10.1590/1982-0194201500046

20. Silveira F. Rotinas em transplante de fígado, pâncreas e rim. Instituto para Cuidado do Fígado; 2015.

21. Scheper-Hughes N. A tirania e o terror da dádiva: a violência sacrificial e o dom da vida. Cad Estudos Sociais Politicos. 2014;3(5):1-22.

22. Rodrigues TMM, Moura LKM, Gomes RMC, Sousa MCP, Sousa PCC, Lago EC. Doação de órgãos: percepção das famílias com pacientes internados em hospitais gerais. Rev Interdisciplinar. 2014;7(1):152-61.

23. Souza ATS, Freire VS, Silva AJS, Medeiros MCA, Vasconcelos FM, Ponte MAV. A atuação do enfermeiro no processo de doação de órgãos: uma revisão integrativa. Rev Interdisciplinar. 2014;7(3):138-48.